Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2006
Vagabundos. Parte II e Epílogo-hipótese 1.

Depois do primeiro encontro, nunca mais se largaram. Caixotes vasculhados  em busca de iguarias eram, para ela, clubes gourmet em dias de festa. Ele mimava-a com frascos de perfumes rejeitados, caixas de bombons já vazias, embalagens de fumados ainda viscosas do produto - era bom: a gordura serenava o frio e acalmava o buraco no estômago.


Celebravam todas as datas, ainda que vivendo sem relógio nem calendário (ou talvez por isso mesmo). Sabiam que era sábado pela expressão feliz dos outros , domingo pela preguiça das manhãs. Comemoravam, roubando-se beijos à frente de todos e as gentes espantavam-se daquela felicidade desgraçada, enquanto se iam desgraçando nas tramas da abundância. Passavam-lhes de largo, desculpando-se entre iguais com o suposto mau cheiro dos trapos, mas a verdadeira e mais funda razão é que lhes invejavam a in-diferença.


A polícia local veio a saber. Era preciso acabar com aquele desaforo, punir o crime, expiar a culpa  de tal afronta - não se pode ser feliz fora dos cânones autorizados...


Prenderam-nos. Espancaram-nos por confessarem uma verdade incómoda: amavam-se incondicionalmente.


Foi-lhes decretada prisão preventiva  (como se houvesse alguma prevenção para o Amor! e presos  viviam já, na paixão que alimentavam dia a dia; portanto, só lhes retiraram a única liberdade que lhes reconheciam: a de não serem cidadãos). 


O juíz descobriu, por uma denúncia do director da prisão, que se escreviam, usando as letras dos pacotes de açúcar. Proibiu que lhes dessem café. Insistiram, agora com as letras dos maços de tabaco que não fumavam e que traficavam com os demais, contando histórias de amor ao entardecer. Foram duplamente punidos: por prevaricação e abuso de poder - tinham semeado sorrisos nos lábios dos que os ouviam.


Ela foi metida numa cadeia perto da serra de Sintra. Ele foi transferido para Odemira. Fugiram, não se sabe ainda como, nem quem os ajudou - os  guardas foram ilibados por falta de provas e os processos disciplinares encerrados por caducidade.


 


                                                                                 * * * * * * *


Contavam os pescadores de Porto Covo que os viram ser levados em direcção à linha do horizonte, por um bando de gaivotas, numa madrugada qualquer.


 


Miriam 


 



publicado por Perplexo às 23:24
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds