Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Terça-feira, 31 de Julho de 2007
ON-OFF

Desligou a tv o rádio o computador, os telemóveis e o despertador. Atirou com o jornal a agenda e o calendário para a goela do ecopapelcartão. Fechou a porta à chave deixando o mundo lá fora, meteu-se num banho de espuma sais colónias e óleos essenciais, fechou os olhos e o coração.


E mentalmente agradeceu ao santo progresso a bendição


da invenção


do botão


de desligar...



Miriam



publicado por Perplexo às 02:35
link do post | comentar | favorito

GRAMÁTICA ELEMENTAR

I.    Pretérito Perfeito: amou mas temeu


II.   Indicativo: é falso - não apresenta direcção


III.  Futuro do Conjuntivo: quem amar depois da hora, chegará mais cedo a nenhum lugar


IV.  Condicional: amaria se tivesse ousadia


V.   Infinitivo pessoal: des-amar beatamente na paz do senhor


VI.  Gerúndio: des-amando com alegria haverá menos dor


VII. Imperativo: des-ama bem, agora e sempre, amen


VIII.Particípio passado: des-amado a pedido e por favor


 


T.P.C.:


Conjugar o verbo matar em todos os tempos aqui indicados acompanhado de flores e sorrisos. Quem apresentar lágrimas e suspiros será acusado de plágio e impedido de prosseguir os estudos.


 


Miriam 


 


 



publicado por Perplexo às 02:17
link do post | comentar | favorito

Pretérito-mais-que-imperfeito

Contaram estrelas, brindaram aos dias de sol, planearam viagens que nunca iriam fazer. Miraram-se na lua cheia e descarada, como num espelho que não devolvia imagens mas apenas o bafo da vida. Mergulharam no brilho das águas,  indefesos e nus como crianças. Esqueceram as horas, ignoraram as folhas do calendário e acordaram alagados em suor, culpados e medrosos como manda a bendita tradição.


Na igreja da vila cantava-se glória a deus nas alturas - que acabámos de matar mais dois ainda vivos contra nós.


MIRIAM



publicado por Perplexo às 01:27
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 24 de Julho de 2007
...
a sala é improvável numa casa por aquelas paragens rústicas. ampla, despojada e ao mesmo tempo acolhedora. sentada numa cadeira está uma mulher. entoa um sotaque que se vem a saber tem origem numa cidade com nome de tribo, algures no brasil. uma terra de açúcar, que os portugueses aproveitaram para expandir a sua doçaria. é magra a mulher. e enrugada como qualquer pessoa que se encaminha para o fim. o brilho do olhar estrábico não o adivinha, contudo. sorri ao beber uma chávena de café. nunca perde a postura senhorial com que comanda os destinos da conversa. lá fora no pátio, dois gatos. um está preso porque foge para os pátios vizinhos. as pernas da mulher marcadas pelas veias não tremem. os temperos alentejanos são demasiado fortes para o seu paladar, mesmo assim apetitosos. a mulher é demasiado polida para queixas. despede-se das visitas com beijos que sabem ao açúcar da tal terra de índios. estende as mãos de dedos finos para prolongar o adeus. e elogia a juventude.


publicado por Perplexo às 22:19
link do post | comentar | favorito

Domingo, 22 de Julho de 2007
Julho já lá vai!

Ontem não foi um dia vulgar!


 O sol esteve lá. A praia deixou-nos saborear a sua cálida areia, refrescada de quando em vez, pelas habitualmente poluídas águas do Tejo.


 Consentiu-nos que estendêssemos a toalha e nos deitássemos de barriga para o ar, a contar estrelas que nâo víamos...


 Mas faltou qualquer coisa a este tão avançado mês de Julho...


Faltou a disponibilidade para o ócio... Faltou aquele calor que enlanguesse os corpos e os torna vulneráveis à proximidade de outro  corpo que se deseja escorregue no nosso.


Uma gaivota mais atenta poisou na beira do muro que separa a zona balnear da zona mais urbana e saracoteou-se.


O vento, frio e violento para esta altura do ano, quase arrancava as palmeiras dos oásis fingidos que ainda assim, resistiram.


 A «sereia» viu aquilo tudo e foi tomar banho, indiferente e convencida.


Nada mais aconteceu.


Agosto, será certamente, um mês mais convidativo.



publicado por Perplexo às 21:11
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 19 de Julho de 2007
Um dia, seremos todos excêntricos...

 


Talvez nos encontremos , por aí, descentrados. para lá ou para cá do centro!


Seremos  somente excêntricos.


Cada um em sua rota...



publicado por Perplexo às 20:10
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 6 de Julho de 2007
Uma história de rir

O rapaz de riso fundo levava muito a sério a vida e o mundo. Cansado de ser adulto e sisudo, e de tão sério lhe parecer tudo, perdeu-se de amores por uma rapariga que o fez rir.


Descobriu no riso a festa de viver com paixão e loucura, rindo amiúde e com prazer. Ria sempre muito com o corpo todo, como se o riso o vestisse como um fato completo. Ria com sentimento e graça, pondo-se todo no riso que o estremecia de cima abaixo.


Um dia, perguntaram-lhe "de que te ris tanto?". "De ti e do mundo" respondeu, rindo até ao fundo. Os outros olhavam-no com espanto e pensavam "coitado, está perdido", mas o rapaz do riso fundo não estava nada perdido! Estava muito bem orientado, sabia bem o que queria e para onde ia.


Pela rapariga que o fez rir, perdeu o ar que tinha e passou a rir sempre, mesmo que fosse só com o olhar. Começou a viver melhor, a despertar invejas em redor, mas não se ralou nada e continuou a rir sonoramente. 


No dizer dos demais, perdeu também a cabeça e, rindo, convidou a rapariga para casar. Ela aceitou a rir, também. E a rir casaram, numa manhã de primavera, sentados numa ravina salpicada de giesta em flor. Tiveram como  testemunhas daquele acto de loucura, 20 cabras malhadas e um cão cego. E um padre que chorava a rir, enquanto os declarava Marido  e Mulher...   


 


 


Miriam                                                        



publicado por Perplexo às 23:23
link do post | comentar | favorito

Linguagem da Terra - Linguagem do Amor.

Veio do mar o rapaz que ama a terra com fervor. Das entranhas retira-lhe o muco que acaricia com volúpia, e nas árvores abraça ramos sem  folhas. Beija-os com tanto ardor que embranquecem e brilham ao olhar, no desejo de qualquer.


Brinca com o esperma da terra, molda-o com precisão-paixão,  prende-o com invisíveis fios de carinho nos tensos fios coloridos esculpidos em levíticas formas, por um par de mãos criadas para amar. E pinta em panos virginais gentes, bichos e mitos, como só baião baiano pode: derramando-se em místico amor, enquanto bota um peixe no olhar, um minotauro a namorar, um índio a encher.


Baião baiano veio do mar amar a terra, p'ra ensinar a palavra amor a quem  quiser amar. 




Miriam



publicado por Perplexo às 22:56
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 3 de Julho de 2007
S/T

"Não há impossíveis", disse o poeta num fim de tarde, cravando um olhar carregado de palavras nos olhos da rapariga. Ela fitou-o surpreendida, com o ar de dúvida de quem duvida, mas que quer acreditar. Que precisa de acreditar. "Talvez", murmurou em tom inaudível.


Subiram. O ascensor era uma ampulheta:  viajaram pela areia sem dar-se conta da vertigem.  Quando acordaram do sonho repentino, tinham voltado ao ponto de partida. Corrigiram a rota e atracaram no pico do edifício, extasiados com a paisagem da cidade a cor a luz o rio, as telhas rubras resvalando em cascata pela encosta do castelo, o verde vibrante do arvoredo, o azul impensável das águas. Uma gaivota riscou o céu, asas apontando a direcção dum telhado sobre eles: fado fatum fatalidade, as cordas duma guitarra mal gemida a trinar em pretéritos imperfeitos, conjugados em improváveis descobrimentos...


A rapariga invejou a  liberdade da gaivota. Invejou a liberdade do poeta. Seguiu a gaivota com o olhar. Poisou-o no olhar líquido do poeta. Desviou-o para o  casario à sua frente e pensou que as janelas das casas "são os olhos da cidade". Que a cidade tinha mil olhos ou mais, mas cegos cegos demais para ver-se cega e vagabunda, perdida de si mesma em todas as partidas sem regresso.  


Pegaram nos copos, brindaram não-importa-a-quê e a rapariga cansada do fatum, abriu os braços e arriscou um vôo até à praia dos possíveis. O poeta?


- Tornou-se um pintor de essências em azul.


 


Miriam



publicado por Perplexo às 18:36
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds