Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Quinta-feira, 29 de Março de 2007
MARIA DO CÉU

Um manto azul forte e inconstante acariciava com doce melancolia a pequena rampa por onde subiam barcas e frágeis traineiras, arrancadas ao mar pelos pescadores. Fugiam aos inesperados e revoltosos temperamentos de um oceano sempre indomável. O dique de rocha negra e áspera embrenhava-se nas águas, criando uma defesa natural aos avanços violentas do Atlântico.


Logo que a tarde soava no relógio da Matriz, Guilherme Bento descia, apoiado na sua bengala e curvado não se sabe se ao peso dos anos ou das incontáveis fainas marítimas, a pequena ruela empedrada de blocos negros e rectilíneos. Cruzava os homens de pele morena e secos de carnes que por ali deambulavam e atirava:


- 'Tarde, pessoal!


- 'Tarde ti Mito... – respondiam os outros.


Ficavam depois a vê-lo desaparecer por detrás do muro do velho cais, só surgindo quase na ponta. Passo pequeno e lento, cachimbo de cana apagado ao canto da boca, boina em tempos branca cravada na cabeça, pele tisnada por muitas horas de sol e sal, olhos pequenos mas vivaços.


No extremo de um pontão de cimento, paralelo ao dique de rocha, repousava uma pequena pedra. Havia quem dissesse que fora o próprio mar que ali a colocara para que o velho Guilherme gozasse o resto dos seus dias, contemplando o horizonte onde os azuis distintos se juntavam. Vivia só, numa singela casa de um piso, caiada de branco e que adquirira no auge da sua vida de pescador. O que comia ninguém sabia, mas exalava frequentemente de sua casa o aroma característico a peixe frito.


A tarde mantinha-se serena, sem vento. No céu, o anil alternava com o plúmbeo das nuvens. Mas sem qualquer ameaça de chuva. Na enseada entrou uma traineira de casco vermelho forte. Trazia atuns e cavalas. Assim que a embarcação encostou ao pontão os homens saíram apressados. Na ponta repararam na figura mirrada do mestre Guilherme. Alguém tentou gracejar:


- Será que ele ainda a espera?


Os outros conhecedores e respeitadores da história antiga e mal dissolvida pela amargura dos anos, miraram com desdém o autor da graçola.


Mestre Guilherme sempre vivera agarrado àquele imenso mar. As suas primeiras memórias, colocam-no com apenas cinco anos no barco do avô. Num dia de pesca. E que dia... Gorazes, chernes, corvinas e sabe-se lá mais o quê... Um carrego daqueles era uma vez na vida de um homem do mar. Quando a traineira arribou ladeira acima puxado pelos homens, logo surgiu a mãe em pranto:


- Ai desgraçado! Tão pequeno e já nestas vidas. E eu aqui tão apoquentada que já prometi uma vela à Nossa Senhora da Saúde.


O mar viria naturalmente a ser o seu futuro. Primeiro com o avô, mais tarde o pai e finalmente ele como Mestre da velha traineira. Um fado cruel e injusto que ele preferiu, aos bancos desconfortáveis da escola. Um ofício tão implacável que tantas vezes pensou em desistir. Mas quando olhava aquele azul tão negro e escutava aquele som tão claro contra as rochas, tudo se esvanecia e depressa regressava ao remendo das redes para nova campanha.


Anos a fio sulcou ondas e vagas numa vontade intrépida contra o mar. O sol, a chuva e o vento haviam sido os seus companheiros permanentes. Quantas vezes sentira que o seu dia tinha chegado, tal era a tormenta, a engolir de um trago a frágil traineira. Mas Deus ou fosse lá quem fosse, retirava no último instante à imensidão quase infinita do oceano o pequeno pesqueiro e colocava-o novamente no cimo das cristas brancas e bravias.


Já homem feito enamorou-se certo dia de Ana, também ela filha e neta de pescadores. Todavia a jovem tinha outras ideias para o seu futuro e logo que a oportunidade surgiu, embarcou para a América. Um desaire na vida de Guilherme. Uma ferida que nunca soube sarar.


Naquele singelo banco, Mestre Mito – era assim que os mais novos o conheciam – perscrutava o horizonte, em silêncio. A uma milha, pouco mais, um pequeno ilhéu erguia-se do mar como de uma fortaleza se tratasse. Uma milha entre dois destinos. E o mar azul, mar de azeite por agora, entre eles. E uma história ou um mistério por desvendar.


Naquela madrugada, Guilherme aprontou tudo para partir para nova faina. O sol ainda nem despontara quando largou a caminho de um oceano permanentemente em mutação. O vento de norte crispava as primeiras vagas, que rodeavam a embarcação como um novelo. Fugindo às correntes a traineira lutava contra um malagueiro feroz e impetuoso. À direita permanecia imóvel o velho ilhéu.


Todavia sempre que mestre Mito circundava tal rochedo, invadia-o uma sensação de que alguém ali o mirava de um jeito diabólico. Assim o pescador e os seus homens fugiam daquele destino. Porém nessa manhã a corrente parecia mais forte, tentando indomar-se à força dos velhos motores da traineira. De súbito alguém avisou:


- Mestre, não se consegue passar as correntes. Estamos a ser levados para o ilhéu.


- Vira tudo a bombordo e regressamos a terra – ordenou o comandante.


Só que o mar não estava pelos ajustes e mesmo após a manobra, aquele continuava a empurrar a embarcação para o enorme rochedo. Experiente e conhecedor, o velho pescador solicitou via rádio ajuda a outros barcos.


Num instante surgiram diversas traineiras muito maiores e que lidavam bem com aquele mar. Mas o mestre apenas solicitou que levassem os homens para terra. A barca era com ele. Nem quis qualquer ajuda para rebocar a sua velha embarcação, herança de pai e avô.


Respeitando a vontade férrea de Guilherme, os homens passaram a custo para os outros barcos e regressaram a terra firme.


Do cimo da enseada os companheiros viram a luta que o seu Mestre mantinha com as vagas, as correntes e o ilhéu. Alguém conhecedor daquelas fainas, previu com um agoiro:


- Aquele dali já não se safa. A corrente de norte é muito mais forte que o barco. Ainda vamos ter para aí uma desgraça. E aquele homem é tão teimoso!


Conhecia-o bem doutras fainas.Casmurrice era coisa que não faltava a Guilherme Bento. Mas fora essa mesma tenacidade e perseverança que tantas vezes lhe salvara a vida e a demais companheiros. Os olhares viviam aqueles instantes cravados no horizonte, ansiosos e descrentes. A chuva que entretanto começara a cair não fez ninguém arredar pé do velho ancoradouro. Todos admiravam a força de um homem contra a natureza. Mas esta jamais se deixaria domar, mesmo por um velho lobo-do-mar.


As vagas encapelavam-se e rebentavam quase em cima da frágil traineira. Lá dentro o homem só, tentava tudo. O ilhéu crescia, crescia. E o mestre tentava, tentava.


Uma forte onda caiu por fim com violência no convés do barco, quebrando-o por completo. Estava irremediavelmente perdida a guerra. O mestre tentou ainda uma última manobra mas a água entrada já nem saía. Afundava-se finalmente a velha traineira, enxada de tantos cavadores de mar.


Num assomo de força e perseverança, mestre Guilherme só com a água como companhia tentou chegar ao rochedo negro e silencioso. Uma nova vaga arrastou-o contra as pedras, mas ainda assim a sorte protegeu-o, deixando apenas alguns arranhões nos braços e nas pernas.


Já em terra, naquele naco de rocha que ele nunca visitara e que temia, sem nunca saber realmente a razão de tal temor, tentou resguardar-se do temporal. Na aldeia piscatória, quando o mar tragou duma vez só a embarcação todos julgaram que o mestre havia também desaparecido. Os sinos tocaram a rebate naquela tarde, mesmo contra a vontade de alguns amigos de mestre Bento. Dois dias mais tarde, um velho pescador lançou a sua barca e foi procurar peixe para o ilhéu como era seu hábito. O mar estava sereno desta vez e foi com um grande susto que encontrou o Mito, deitado em cima uma rocha, dormitando.


Sem perguntas de ambas as partes regressaram nesse momento à aldeia. Quando chegaram muitos se dirigiram, questionando e congratulando-se com a vida poupada pelo mar.


No dia seguinte, Guilherme Bento aproximou-se do pontão de betão e aí encontrou a pedra. Sentou-se, carregou o fornilho do cachimbo, acendeu-o e mirou o mar com tristeza.


Um dos seus velhos companheiros, ganhou coragem e perguntou-lhe nessa célebre tarde:


- Que procuras aqui, homem de Deus?


- O que perdi! – Voltou secamente. ?


- E o que é que perdeste?


- A minha traineira, a Maria do Céu. Aguardo aqui, pacientemente, que o mar ma devolva ou então que me leve para junto dela...



publicado por Perplexo às 22:18
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 22 de Março de 2007
Mensagem Pendente...

Ainda tenho 20 minutos. É só pôr o rímel e fico pronta. Está tudo muito bem, nada de rugas, nada de borbulhas, a maquilhagem está perfeita.



A saia podia ser um bocadinho mais comprida, mas que se lixe. Se é para ser, é mesmo assim. Os sapatos... são lindos, altíssimos de verniz rosa. Ele vai gostar. Vai babar.



Vamos lá à última verificação. Cabelo, check, maquilhagem, check, mini-saia e sapatos altos, check, perfume... ui falta o perfume. O da Donna Karan, o que ele gosta. Um pouco de perfume nos pulsos, peito, pescoço e nuca. Perfeito. Tudo perfeito. Só falta vestir o casaco e pôr as chaves na bolsa.



No meu telemóvel faltam 5 minutos para ele chegar. Não posso ficar assim tão ansiosa. Ainda fico enjoada. Vou ver um bocado de televisão. Sempre me distraio e o tempo passa mais depressa.



O que é que está a dar? Ah a Oprah... sobre doenças. Hum... não me apetece. As notícias também não... novelas muito menos. Música! Boa, é isso vou abanar-me um bocadinho para me descontrair. Eh pá estes sapatos são tramados para dançar, deixa-me cá tirar o casaco para não transpirar. Tenho de treinar dançar com estes sapatos, que horror...! Olha a figura que eu faria, nem tinha dado por isso. Ainda bem que experimentei aqui, sem ninguém a ver. Na na na, na na na na... esta música é o máximo!



Está atrasado ele... que estranho não é costume. Se calhar é melhor ligar para ver se demora, se está preso no trânsito. Não... calma, ele deve estar aí a chegar. Olha o aspecto que dá! São 10 minutos apenas. Deixa-me cá sentar e ver se já começou o Jay Leno. Nada...



Oh que seca! Ele sabe perfeitamente que eu detesto esperar. E nem diz nada. Que grande idiota! Bem, vou deixar-me de coisas e enviar uma mensagem a perguntar o que se passa. “Olá. Já tou pronta. Tás muito atrasado?” Enviar... Então...? Ficou pendente? Deve estar a passar num túnel ou assim. Estranho... continua pendente. Vou esperar mais um bocadinho e depois ligo, quero lá saber, estou farta de estar à espera.



Fui eu fazer a reserva em meu nome. Vamos chegar para lá de atrasados. Oh mas que chatice, isto agora já está a passar das marcas. Vou ligar-lhe e pronto. Olha esta agora...?! Agora diz que o número não está atribuído, estou feita. Já me estou mesmo a passar. Três quartos de hora atrasado e sem justificação. Daqui a pouco desligo o telefone e pronto! Não quero nem saber! Eu aqui toda produzida e ele feito estúpido, não aparece e com o telemóvel desligado. Realmente, haja paciência...



Bom, já passou uma hora. E ele sem dizer nada, o parvalhão. Vou ligar à Lili. Sempre desabafo. Olha, também me diz que o número não está atribuído. Estou-me a passar, o que é que se passa com estes telefones todos hoje?



“Tou Ana...? eh pá finalmente consigo falar com alguém, bolas! Então não é que estou à espera daquele palhaço há mais de uma hora e nem aparece nem diz nada, nem atende o telefone...?! Estou-me a passar! A seguir ligo à Lili e a mesma coisa, vê lá, que o número não está atribuído, ou lá o que é... Estou eu aqui toda arranjada porque íamos jantar e já só tenho vontade é de partir a cara a alguém... Vens já para aqui? Para quê? Deixa-te disso, não é preciso, estava só a desabafar. Mas se quiseres aparece. Ele já não deve vir, e mesmo que venha, eu é que já não saio. Palhaçada... Vens com a Sofia? Tá bem. Ligo-lhe eu ou ligas-lhe tu? Ah, ok ligas tu. Então vá, beijinhos, até já...”



-----



“Tou Sofia, é a Ana. Olha, a Maria tá outra vez vestida à espera do Zé Manel. Diz que tá atrasado. E ligou à Lili também. Eu disse-lhe que íamos lá, eu e tu. ‘Bora lá. Já passo aí a apanhar-te. Desce...”



- Quem é que lhe vai dizer desta vez? Dizes-lhe tu, Sofia? Eu já não tenho coragem...

- Ok, eu digo... mas como é que é possível? Já passaram quase 4 meses e ela continua nisto. Todos os fim-de-semana o mesmo número.

- Pois... não sei. Não sei o que terá sido pior. Se eles terem morrido, se eles terem morrido juntos. O Zé Manel e a Lili, juntos! Quem diria... Coitada da Maria. Bom, já chegámos, ‘bora lá então...


AnaGod



publicado por Perplexo às 12:30
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 21 de Março de 2007
****

Somos tão sozinhos, não somos? * Lá estás tu a criar centros de dor onde eles não existem. * Estás a chamar-me masoquista, por acaso? * Não, mas às vezes pareces uma cabra com sentimentos. * Bela resposta essa, vinda de um filho da puta carente. * Vá lá, passa-me mas é o cinzeiro e vamos fumar mais um. * Isso dá-me sono, já nem consigo articular uma frase que faça sentido. * Ficas tão engraçada quando te esqueces das palavras. * Agora estás a chamar-me palhaça? * Pára com a birra, que não tens idade pra fitas.* Mas que raio estou eu a fazer aqui? * Sabes tão bem ou melhor que eu. * Muito gostas tu dessas frases enigmáticas. * Dantes não dizias isso, lembras-te? * Já foi há muito tempo, esqueci-me. * Mentes tão mal, coras como uma criança com medo do castigo. * Ah, de palhaça passei a miúda? * Dá uma passa e ouve a música. * Isto? De onde saiu esta coisa? * Bolas, era o teu CD preferido, passavas horas a ouvir a faixa três em auto-repeat. * Eu, tens a certeza que era eu? Deves estar a fazer confusão. * Eu ia lá confundir-te alguma vez? * Vá, tira a manápula da minha perna. * Estás a armar-te em difícil, nem parece teu. * O quê, não posso ter subentendido aí um puta?! * Mas que queres tu, afinal? * Sei tanto como tu, ora essa. * Não, não vais começar a fungar. Não suporto discussões com lágrimas. * Fica descansado, que isso aconteceu uma vez e por acidente. * Nunca pensei que conseguias chorar. * E tu, em vez de me dares colo, assumiste-te como vampiro. * Deixa isso agora, vem pra cama que é tarde e tive um dia daqueles. * Está bem, eu rendo-me. Mas antes responde-me. Somos mesmo sozinhos, não somos? 

 



publicado por Perplexo às 00:25
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 19 de Março de 2007
Estamos todos tão sozinhos
O autor Paulo Nogueira, que foi convidado no último curso, faz o lançamento do seu último romance, "Estamos todos tão sozinhos", no El Corte Inglês e os antigos alunos estão todos convidados. Será no restaurante do sétimo andar, quarta-feira dia 28 de Março, às 19h00. Também deve estar presente o Manuel Valente, editor da ASA, que já foi convidado em dois cursos. Será uma boa ocasião de "combíbio" e de trocar impressões sobre a situação política e o sentido da vida.


publicado por Perplexo às 12:30
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 14 de Março de 2007
Canhão

As palavras saem à pressa, numa velocidade estonteante; a cortar o vento, a cortar a carne, a rasgar, a rasgar, a rasgar. Flechas e espadas reluzentes, mais rápidas do que consigo pensar. Do que quero.


Pensar.


O latejar do cérebro fura-me a massa cinzenta e eu não quero ser cinzento neste mundo grisalho. Não! Tudo se passa em duplicado, triplicado, numa dose maciça de informação que me obstrui as veias. Quase morro sem a certeza de saber se estou vivo, se alguma vez estive. Vivo. Ou não, pouco importa. A vida não espera por nós e nós também não lhe faremos o favor. As palavras são frenéticas, as frases são curtas. Vivo ou não, a quem importa? Cale-se o testemunho de palavras que ninguém vai ouvir; não há tempo para carpir. Em fábricas de brincar, fábricas de fugir. Vivo não, a alma está morta. A aceleração de palavras que tombam no chão como carros fendendo a estrada em dois, em três, em tantos pedaços de uma só vez - becos sem fim. Imagens breves em flashes, relâmpagos manchando os céus. Aclaram-se as masmorras por detrás dos véus. Tudo fica na retina de quanto alcançam os olhos. Mortos e feridos. Luzes néon a esvoaçarem. Paredes de cimento. Electrochoques. Os raios rebentam no betão. As dores sufocam-me o fato polido. Em loucura insana asfixio. É o rodopio neste carrossel atroz. Tenho de sair.


Sair.


Desta sociedade de pressão avulsa, onde o cérebro sempre, sempre pulsa e o coração, qual canhão, dispara o homem-bala.



publicado por Perplexo às 12:26
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 12 de Março de 2007
Jantar de confraternização e má língua
Na próxima sexta-feira, dia 16 de Março, vamos morfar e reinar num jantarzito com as vítmas do último curso - o quinto, terminado faz pouco. Mas os antigos alunos em crise criativa ou com ataques de saudades também estão convidados, para o que bastará ligar ou emailar para a Susana Santos, no número e endereço do costume. Desta vez vamos abancar no restaurante, mesmo em frente à escada rolante do sétimo, às 8h30 - não venham tarde, please, pretty please! (Vou ter de levar os meus filhinhos, coitadinhos - já lhes disse que se não se portarem bem lhes torço o pescoço - mas não aconselho ninguém a meter-se na mesma alhada. Isto de ser pai solteiro tem muito que se lhe diga...)


publicado por Perplexo às 19:13
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds