Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Domingo, 28 de Janeiro de 2007
Fora de moda

I. 


 Parto contigo no desejo


do regresso


que já tarda.


Voamos no mesmo abraço


sem destino


regressamos a nenhum lado...


 


II.


Sentir


teu corpo em fogo


a consumir-se


lentamente,


desvalidamente,


em labaredas de desejo,


devorar-lhe as cinzas


e, depois,


 enlouquecer!


 


Miriam


 


 



publicado por Perplexo às 12:22
link do post | comentar | favorito

Sábado, 20 de Janeiro de 2007
Zona Interdita a Crianças Barulhentas

Estava no El Corte Inglés em plena quadra natalícia, na zona de restauração a papar qualquer coisinha quando passa um casal com uma criança de uns dois anos e outra num carrinho de bebé, que teimosamente não passava pela minha mesa, encalhando com as rodas nos pés da mesma. Pimba, cacetada na mesa, pimba cacetada na cadeira. A criança do carrinho desata aos berros, a criança a pé, aos berros desata.



Olho para a frente e dou de caras com o aviso “Zona de Não Fumadores”. Um dístico verde bandeira com as letras brancas e a sinalética de proibição a vermelho. Começo a imaginar um outro dístico que deveria estar em alguns locais, a bem da sanidade mental da maioria dos adultos: “Zona Interdita a Crianças”.



Como o ‘politicamente/socialmente/whatever correcto’ está visceralmente introduzido nas nossas vidinhas plásticas do civilizadamente correcto século XXI, parece mal dizer estas coisas em público. No entanto, e porque sou uma desbocada, estou tentada a fundar um movimento de restrição a crianças menores de, sei lá, 12 anos (?) em alguns locais.



Vejamos: o que pode incomodar mais? Um tipo a fumar-nos para cima enquanto saboreamos a sandocha ou uma criança aos berros e a espalhar Milupa por todo o lado? É quantificável? Dependerá das situações – quantidade/proximidade da emissão de fumos versus o volume decibélico/quantidade de Milupa espalhada – mas temos de convir, que no mínimo é tão ou mais incómodo que o fumador.



E se existem zonas que nos protegem dos fumadores, porque não existirão zonas que nos protejam de outros agentes nocivos à nossa saúde mental?


Mas a mim, para ser completamente honesta, parece-me que até os próprios pais das criancinhas barulhentas e insuportáveis, dariam graças por haverem espaços children free... Para um time outzito.



Deviam haver restaurantes ou zonas de restaurantes interditas a crianças. Nos supermercados, nem vê-las. Ou então estabeleciam-se uns horários, tipo recolha obrigatória. A partir de certa hora não poderiam haver crianças espalhadas por aí.



Era muito mais justo para todos: fumadores, não fumadores, procriadores, não procriadores. Todos diferentes, todos iguais...


AnaGod



publicado por Perplexo às 10:53
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2007
ALEXIA E O MAR - II

 (Resposta a Alex, em dia de boa navegação)



Traz sempre boa cor e até deixou de fumar. Mas a família nunca mais a viu. Dizem os amigos que a conhecem melhor, que vive em comunhão com o moinho, deita-se todos os dias embalada pelo sol, que a beija fielmente e levanta-se pela fresca madrugada, contrariamente aos seus velhos hábitos.


Continua a mudar de humor, mas agora menos frequentemente, e é mais fácil adivinhá-la: uns dias espuma de raiva pela condição humana, despeja nas areias todo o lixo que armazenou dentro, gritando "vêem o que fazem? fazem o que são, fazem-nos o que somos!" ;  outros, anda contente a cantar pela praia ou vem beijar os pés dos amantes, que a estranham pela mansidão. Em mudanças de lua torna-se  verdadeira cruella, gesticula contra deuses e titãs, escancara os braços em abraços assassinos pronta a vomitar traições e pesadelos, grita por socorro, que não aguenta tanta fúria contida à espera do resgate prometido, já tanta vez retardado!


E quando tropeça nas rochas à procura de si, tudo o que ouve é uma voz adamastora que lhe berra ao ouvido: raios, Alexia, tira os olhos daqui! Tanto amar pode matar e nunca morre quem morrer no mar...


Miriam



publicado por Perplexo às 13:25
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2007
ALEXIA E O MAR - I

 (Para Alex, por amor ao mar)


Furou as águas provocadoras, com o olhar fundo e negro como uma mina. Esmagou nervosamente a beata no cinzeiro de vidro barato enquanto expelia o fumo com ênfase.  Levantou-se da espreguiçadeira, deu uma última olhadela à chávena de café que jazia vazia, sobre a mesinha do varandim, à casita de madeira onde tantas tardes e noites sonhara com o mar, ouvira o mar, respirara o mar. E partilhara o mar. Desceu até à praia, trepou pela rocha, descalçou os botins. Estava decidida: hoje o mar sou eu! 


Miriam



publicado por Perplexo às 19:21
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 16 de Janeiro de 2007
Seis Anos depois

O Sol já estava a poente quando um carro verde escuro, deixando o cemitério atravessou a povoação procurando avistar a grande amoreira preta. A viatura subiu a ladeira vagarosamente até chegar ao terreiro, onde se imobilizou. A porta do lado do pendura abriu-se de imediato, e logo após a saída arrebatada de um cão cinzento a atirar para o preto, que correu de pronto na direcção de uma casota quase oculta no meio de tanto mato, saiu uma jovem senhora vestida de negro. Era Marta Algor.


As outras portas também se foram abrindo. O condutor era o Marçal Gacho. Do banco detrás saíram a Isaura Estudiosa com um menino que teria decerto uns cinco seis anos, que logo logo, e ao sentir chão firme debaixo dos pezitos, correu na mecha atrás do cão que, agora sabemos ser o Achado. A Isaura, outra vez viúva, com toda a preocupação que podemos calcular, lá corria atrás do menino chamando pelo seu nome.


Enquanto Marçal fechava as portas da viatura, Marta contemplando a olaria ao fundo - quase toda ela invadida por ervas - dirigia-se calmamente a casa.


Há seis anos tinham deixado tudo aquilo. Era a primeira vez que ali voltava desde então. Pelo chão viam-se os restos dos bonecos, ali colocados na manhã da partida, com o propósito de guardarem todo aquilo.


A filha do oleiro, acabado de enterrar, abriu a porta e entrou na cozinha. A grande mesa lá estava, local de tantos encontros e felizes partilhas. Marta por momentos sentiu a presença do pai à cabeceira da mesa. A comoção apanhou-a. Sentiu as pernas fracas. Sentou-se no lugar tantas vezes ocupado pela mãe e depois por ela, e escondendo o rosto entre as mãos começou a chorar. Marçal ia a entrar, mas ao ver a mulher assim e apesar de querer muito abraça-la, achou por bem deixá-la, por agora, sozinha. Foi ao encontro de Isaura, Achado e Cipriano Júnior. Passado estava o frenesim do corre-corre, estavam, os três, tranquilamente sentados no chão. Ao chegar junto deles Marçal deparou-se com o filho com as mãos todas sujas a brincar com terra barrenta, sob o olhar fascinado de Isaura e Achado. Da forma mais discreta conseguida sentou-se junto a eles.


E ali ficaram, aguardando a Marta, debaixo da grande amoreira que, apesar de mais velha e dos progressos da dita civilização ali continuava, teimosamente de pé.


 


Baseado em: A Caverna de José Saramago



publicado por Perplexo às 12:37
link do post | comentar | favorito

Domingo, 14 de Janeiro de 2007
s/t
...tira os olhos do rio, alice. raios! gritas por socorro, resgato-te à noite, atiro-te para o lado de lá do espelho e ficas para aí perdida em sonhos? queres morrer?! deixa essas tretas para quando estiveres a escrever sobre agora, para quando inventares as palavras que ouves das tais personagens que te enganam. porque vais escrever sobre esta noite, não vais, alice? já te estou a ver, agarrada à primeira frase, horas a fio sem conseguires continuar a narrativa. cigarro após cigarro, num não mais acabar de deletes. nessa tentativa de baralhar e voltar a dar que nunca te chega a convencer. no final do maço, terás um parágrafo se tanto. divagações que não quererão dizer coisa alguma. um monólogo como tem de ser. mais uma página do tal diário que juras jamais virás a escrever. mas, agora, finge que não é isso que desejas. não custa nada brincar ao faz de conta, de quando em vez. tira os olhos do rio, alice. imagina que sou real e que não me arrancaste da cama só para fugires à ficção...


publicado por Perplexo às 16:08
link do post | comentar | favorito

Sábado, 6 de Janeiro de 2007
comentário-Nuno Ribeiro
Há uns bons duzentos e tal anos, Benjamin Franklin escreveu mais ou menos isto:

“ posso não concordar com o que dizes mas defenderei até à morte o direito de o dizeres”.


                      É fácil reclamar o direito à nossa liberdade de expressão, o direito de defender    

             as nossas ideias.

                     É extraordinariamente difícil defender que os outros defendam as suas… quando as suas ideias nos chocam ,  incomodam, violentam.

Mas teremos que o fazer sempre, sob pena de, um dia, alguém não nos  deixar    expressar as nossas ideias. Chama-se a isto democracia.

É claro que o meu texto é incómodo, inconveniente, politicamente incorrecto, porventura algo chocante. Numa palavra, provocador.

Mas não será essa a nossa função enquanto criadores-dar aos outros o nosso olhar, por definição tão singular quanto cada um de nós?

Agitar consciências e sensibilidades, às vezes, até fazê-las sangrar? Fico feliz  se tiver alcançado esse objectivo.

Termino com sensibilidade e poesia, sem me dirigir a ninguém em particular. Termino lembrando um verso da eterna Elis Regina:

"Basta de clamar inocência".

Afinal, todos nós sabemos que a inocência morreu...

 


PP ( post posted): espero que a formatação deste texto tenha saído bem



publicado por Perplexo às 20:58
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds