Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Domingo, 31 de Dezembro de 2006
ano novo-Nuno Ribeiro

   Nesta altura do ano é habitual ser-mos maçados com os desejos e prognósticos para o Ano Novo dos ditos famosos e colunáveis, os quais enxameiam toda a Comunicação Social, tirando como é óbvio os jornais sérios como o Financial Times , The Times, e o The Wall Street Journal -aqueles que leio -.

    Ensopado ainda pelo espírito do Natal, não resisto a retaliar na esperança, que reputo com infelizmente vã, de ser lido, quem sabe por uma Ana Malhoa ou  um Cláudio Ramos.

   Sendo eu um homem de Direita, vou começar naturalmente por aquilo que me é mais caro – a minha felicidade.

O meu maior desejo para 2007 é ter a grata surpresa de descer à minha garagem e encontrar no lugar do meu Rover com quatro metros e oitenta um Bentley com cinco metros e quarenta. Seria uma notável  melhoria na qualidade estética da paisagem urbana, sobretudo quando passasse em frente às paragens de autocarro.

   Espero também que haja paz para que os selvagens que abundam por ai não me estraguem o  meu bruto carro quando me mudar para a minha casa nova na António Maria Cardoso, nas antigas instalações da PIDE/DGS.

Passando agora para as coisas menos sérias, desejo que Sarkozy ganhe em França porque para Barbie prefiro a Vanessa Paradis, malgré o Johnny Depp e na minha querida  Old Albion, o regresso dos good old tories ao Poder. Yes, Prime Minister Cameron.

   Num plano ainda menos sério, a ditosa pátria. Espero que me escolham para entregar ao Francisco Louçã o Prémio de Português Mais Irritante, segundo a revista Sábado; que a classe política nacional exija de cócoras a aplicação imediata e irreversível a Portugal do Estatuto do Indiginato, recuperado das Províncias Ultramarinas; que os professores saibam ler e escrever e conheçam as matérias que leccionam; que os alunos não lhes batam; que os partidários do aborto irresponsável comecem por dar o exemplo promovendo o matricídio das senhoras suas mães e o seu próprio suicídio ou, em alternativa, que possa deduzir no meu IRS os abortos que pagar com os meus impostos.

 Por último, desejo que a futura terceira ponte sobre o Tejo se chame Ponte Vítimas do PREC e que o Mosteiro dos Jerónimos  não passe a ser chamado por Condomínio Eclesiástico MFA/Vasco Gonçalves.

Termino desejando ainda  que o amigo leitor leia este texto ao som de “What a Wonderful World” do Louis Armstrong porque gosto que o passado seja parte do presente e do futuro, mesmo quando eu já cá não estiver. Feliz Ano Novo!

 



publicado por Perplexo às 00:00
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 27 de Dezembro de 2006
Carta ao Pai Natal
Meu caro Pai Natal,

 

Espero que esta te encontre de boa saúde. Ainda mais agora que tens mesmo de estar em forma, para mais uma época, avizinhando-se, presumo - com a proliferação que prá ai vai de centros comerciais, essas belmiroissimas catedrais de consumo – verdadeiramente alucinante.Devem-te chegar cartas aos molhos, grossas de tanto pedido, como provavelmente nunca pensaste vir a receber. Já deves sentir saudade do tempo, em que tinhas tempo, para parar entre chaminés e beber a tua coca-cola fresquinha. Pois é assim meu caro, toca a todos, esta excessiva inevitável e estúpida correria.

Vá lá vá lá em boa hora enviaste aqueles teus três duendes para formação em informática, se não, como davas conta de tantos emails e sms´s? (não devias ter dado o número a tanta gente).

É a primeira vez que te estou a escrever (escusas de procurar nos teus registos, a ver se já te pedi muita coisa, porque não vais encontrar).

Quando era miúdo diziam-me para escrever ao menino Jesus. Com a adorável inocência da infância fazia-o com a melhor letra possível, ilustrada por desenhos floridos e coloridos. Conforme fui crescendo e inevitavelmente perdendo aos poucos esse gostoso estado de alma, fui constatando que eu crescia, mas o menino Jesus não.

O miúdo lá permanecia, ano após ano, nas palhinhas deitado, e sempre menino. Deduzi, portanto, por essa razão lhe era difícil responder às minhas cartas, visto que sendo pequenino com certeza não sabia ler. Por isso nunca mais lhe escrevi.

Quando me disseram para começar a escrever a ti, andava ainda meio desconfiado e confuso, e por isso, achei melhor não escrever a mais ninguém.

Mas agora que o faço - depois destes anos todos - faço-o não para te pedir algo, mas para te dar.

Para te dar a noticia de que pró ano vais ser reformado. É verdade. O teu patrão segue outra política diferente da do nosso. Eu por exemplo – e há muitos como eu garanto-te – não fui reformado. Fui dispensado. Sentença: reestruturação, redução de pessoal, disseram eles. Prazo validade expirado, material obsoleto, pensaram eles.

Eu continuo sem dar por nada. Até à sete meses atrás, a minha querida Teresa, companheira de sempre, que já por ai anda junto a vocês, não se queixava de nada, e garanto-te que nunca tive de recorrer a comprimidos azuis…

Mas como te dizia, parece que ele, o teu patrão, acha que tu precisas descansar e já não terás fôlego para as grandes alterações que se adivinham (Está descansado, não serão certamente aquelas de origem especulativa e maliciosa - sabes como é a malta das revistas cor de rosa – de que o Pai Natal vai passar a ser Mãe Natal, e que será, depois de votação universal por sms, ou a Merche Romero ou a Angelina Jolie com o apoio, pela ousadia mas principalmente pela estreita relação com o encarnado, do Luís Filipe Vieira e da Triumph international.Digo-te, fica tranquilo. É tudo balelas, invencionices. Tudo tretas desses gajos que só fazem é falar na vida dos outros.Ora, ora. O Pai Natal ser deposto para dar lugar a uma mulher… Ainda não chegou o tempo de tais mudanças… Alem disso sabes muito bem que o teu patrão, conservador como é, não alinhava nesse esquema.Mas confesso-te a minha pena por tal coisa não vir a acontecer. Pela Merche, claro. Apesar de achar que o preto lhe fica melhor…)

 

O que vai acontecer, isso sim - e a fonte desta informação parece ser fidedigna - é que, por decisão unânime, ainda não oficial, de todas as nações (todas, vê tu bem!) o Natal vai acabar, temporariamente e por período ainda não definido, para estes mundos de cá, e vai passar a haver Natal só para o terceiro mundo.Tens conhecimento que no terceiro mundo, principalmente em Africa, as coisas são bem mais complicadas. O calor a humidade… Aquela carrada de doenças que por lá abundam. Sabes como é…Eu digo-te; é empreitada para os mais novos. Tens de reconhecer já não estares à altura de tais desafios. Estás como eu, velho, gordo e anafado. Além disso cogita nisto: se nos mundos em que tens trabalhado a malta é exigente como a gaita, imagina agora os de lá que não tem porra nenhuma?A malta daqui pede-te tipo: carros, telemóveis, ipod´s, psp´s, ps2, plasmas, pda, férias num qualquer resort maluco, perfumes, jóias, relógios de quinze mil euros.

Agora pensa bem como será por lá. Alem disto tudo, ainda estão naquela fase de pedinchar água, leite, arroz, carne, peixe, medicamentos, vacinas, formação, informação… Ainda te pedem para tentares com que aquele tal faça as pazes com aquele outro, para voltar a paz e que com isso deixem de morrer e de fugir de um lado para o outro uma quantidade de gente. Ou então ainda te sai na rifa um daqueles pedidos para tentares mudar a mentalidade daqueles fulanos que se agarram ao poder e por lá ficam a enriquecer à custa do seu próprio povo acabrunhado. Já para não falar da vontade de muitos daqueles que governam o nosso admirável mundo, quererem brincar às guerras nucleares. Por este andar, um destes dias, até tu terias de começar a fabricar armas nucleares, ou então comprares a uns para ires dar a outros. Eu sei lá…

Se queres um conselho amigo, não penses duas vezes. A reforma é a melhor prenda que te podem dar no próximo ano, é a melhor coisinha que te pode acontecer. Vende o trenó, devolve as renas ao habitat delas e enfia-te na tua casa de campo, aquela que tu tens lá prós lados de CastelGandolfo, com a tv cabo (não ponhas os canais Lusomundo, o Hollywood chega), uma arca cheia de gelo e umas caixas com garrafas de whisky escocês.

 

E pá, tenho de me despachar. Já vejo pela janela deste meu quarto, cada vez mais, solitário uns tipos de bata branca lá em baixo. As minhas filhas e os meus genros sempre os chamaram.

Eu bem os ouvia, na sala a falar à mesa e baixinho, quando fingia dormir no sofá em frente à televisão, De certeza é arteriosclerose múltipla, enquanto outro palpitava, Eu acho que é Alzheimer, e a minha mais velha, Acho que é falta da mãe, tá muito sozinho. E depois veio embora da empresa. Se calhar a cabeça não tá a aguentar….Eu sei lá o dizem. .. Sinto-me bem. Muito triste. Mas bem. Se calhar não damos por ela vir, a loucura. Simplesmente chega e toma conta de nós. Eles são quatro e eu sou um, por isso devem ter alguma razão. Só me resta aceitar. Hoje em dia até parece mal contrariar os filhos...

 

Quando os enfermeiros chegarem ao pé de mim, e para a coisa ser mais real e dramática, vou dar uns valentes urros e jogar contra a parede duas ou três coisas, inclusive aquela moldura de cristal, (antes vou retirar a fotografia, a minha preferida, em que eu e a minha bela e querida Teresa nos olhamos embevecidos, enamorados, completamente indiferentes às carantonhas das gárgulas de Notre-Dame nas nossas costas) daquela marca com nome de compositor, que eles me ofereceram no natal passado. Será a minha pequena vingança.

Vai ser o meu primeiro Natal sem a minha querida Teresa e fora de casa.

Já viste como são as coisas. Sugam-nos a massa toda, e depois quando um gajo já não têm mais e tá velho espetam connosco no sanatório. Se a mãe, a minha querida Teresa, cá tivesse, não lhes permitiria tal coisa…Eu sei que não.

Só ainda não percebi se vou para o Júlio de Matos ou para o Miguel Bombarda.

Não leves a mal os palpites. Desculpa a pressa e a má escrita.

Quando puderes aparece por lá, para bebermos um café e falarmos um pouco.

Gostava que me dissesses qual de vós todos que prá ai andam é o verdadeiro e já agora aproveitavas também para me explicares, talvez lembrares-me, o que é o Natal.

 

Um grande abraço

 José Alberto


publicado por Perplexo às 21:20
link do post | comentar | favorito

Domingo, 17 de Dezembro de 2006
Epitáfio

 "A Arte é um olhar amoroso sobre a vida." 


 Duchamp.


 


Mãos. Marfim. As tuas mãos cor de  marfim. Os teus dedos longos: esguios, suaves. Suavidade de seda. Nos teus dedos de marfim chegou a reluzir o brilho de um aro - um acordo, um projecto ainda sem talvez.


Era fina e acetinada a pele que vestia a forma das tuas mãos. Os veios, os sulcos, as linhas, caminhos indecisos no destino que -  avé feiticeiras e adivinhos - lhes vem engastado, assomavam timidamente sob a tua pele. Fina e acetinada. Talvez porque os poros eram muito apertados, tão apertados que nunca me deixaste entrar neles. E eu só queria invadir-te, invadir-te tanto como tu me tinhas invadido a mim. Não por vingança, mas porque amar(-te) me fazia mar e o mar tudo pode, tudo devassa. E fazia-me grande, tão grande como o mar que te fizeste em mim.


Não me lembro dum gesto teu. Não me lembro duma carícia tua. Das tuas mãos só retenho a forma: queria esculpi-las, modelá-las, reproduzi-las em alabastro, ébano, mármore, o que quer que fosse que as eternizasse e, então obra de arte, poderia imaginá-las no meu cabelo , no meu rosto, no meu ombro.


 Das tuas mãos só retenho o momento: segurando o jornal horas intermináveis (eu dizia que "estudavas" o jornal, lembras-te?), repousadas no volante, ou no vértice da tua nuca quando buscavas concentrar-te.


Frias. Eram sempre frias as tuas mãos. E eu nunca soube se os arrepios que  causavam eram desse frio em que teimavas em fechar-te, ou do calor excessivo que me assaltava quando as segurava nas minhas.


Diluiram-se no tempo. Já não as posso esculpir. Já não  quero esculpi-las. Tornaram-se pó  igual à poeira do universo. Das tuas mãos , do teu corpo, do teu tempo, ficará tão somente o que existe já: poeira.


Miriam




publicado por Perplexo às 19:40
link do post | comentar | favorito

Sábado, 16 de Dezembro de 2006
morte da tarde
(…) o café dos teatros é vermelho (…) passa-me pela cabeça a imagem da rapariga que jurava ir escolher uma forma de morrer (…) o som do clarinete solta-se das pedras da calçada (…) entro no prédio às escuras (…) sangue pelas paredes em ruínas (…) sobrevivo ao meu homicida imaginário (…) as ideias do percurso fogem-me (…) embrulho-me num casaco sujo (…) mas insistem em dizer que já é primavera (…) estão em absoluto silêncio as mesas, as cadeiras, a vista sobre os telhados à beira-rio (…) não tarda vão falar-me duns génios que já têm lápide com a tal da data (…) tudo se pode fazer menos fugir à inevitabilidade do fim (…) há quanto tempo não enfrento uma metamorfose (…) nunca me dei bem com tinta permanente (…)


publicado por Perplexo às 16:37
link do post | comentar | favorito

Curso intensivo no Porto e próximo curso em Lisboa

Entre 4 e 9 de Dezembro decorreu um curso intensivo (6 aulas de duas horas em seis dias seguidos) no El Corte Inglés do Porto. O autor convidado foi Richard Zimler. Foi uma óptima experiência e creio que muito bem sucedida, embora ache que os cursos fiquem melhor na versão extensiva. (11 aulas duas vezes por semana). No entanto consegui seguir a mesma programação, eliminando apenas a parte de "micro-história da literatura portuguesa" sobre a qual, aliás, sempre tive algumas reservas — não sobre o tema, mas sim sobre a minha "cobertura dos acontecimentos". O resto da economia de tempo ficou a dever-se a não haver mais autores convidados.


Gostei muito de estar no Porto, com especial referência para o Museu de Serralves (onde vou sempre) e à Casa da Música. Quanto a Serralves, é quanto a mim a melhor obra de Souto Moura e as exposições são sempre interessantes. Desta vez trata-se de uma amostra eclética e internacional da década de 1980. Da Casa da música, continuo a achar a arquitectura exterior um bocado brutal, mas os pormenores interiores e a volumetria das salas são de facto extraordinários.O Porto continua a seguir a sua tradição de ter grandes peças dos vários periodos arquitectónicos.


Já está agendado o próximo curso de Lisboa, que começa a 22 de Janeiro.



publicado por Perplexo às 11:42
link do post | comentar | favorito

O livro que nunca li

por Sérgio Figueira


Olho-me ao espelho e vejo-te do outro lado. És a personagem que eu queria ser e não consigo. Fizeste todas as viagens que eu planeei e nunca fiz. Saíste todas as noites durante a minha juventude enquanto eu ficava em casa com medo de enfrentar o mundo. Tens a coragem que eu queria ter e esbanjas o charme que eu jamais possuí. Tens os amigos que eu invejo e passeias a tua figura de “dandy” do século XXI com um toque de James Bond versão Casino Royale, nesse belo descapotável com que sempre sonhei. Nunca te faltou o dinheiro para todos os teus luxos e devaneios e ainda por cima sem precisares de trabalhar porque ninguém teve tanta sorte como tu tens nos negócios, como se tivesses sido abençoado pelo cabrão do Rei Midas.


Por ti passaram toda as mulheres que eu queria ter. Lindas, sedutoras, altas, esguias, de cabeleiras fartas e peitos de Pamela Anderson antes de retirar o silicone. Foram todas tuas, às vezes aos pares, algumas vezes até mais na tua cama, numa orgia que só me acontece em sonhos e dos quais acordo sempre na melhor parte.


Pára de me contemplar desse lado do espelho com ar de piedade e sorriso cínico, como quem quer dar uma esmola, ou, pior ainda, ser solidário. Não quero a tua pena e muito menos a tua solidariedade versão Bob Geldof dos abandonados da sorte.


Sou um filho da puta de um desgraçado a quem a vida virou as costas e ninguém quer saber. E ainda por cima começo a gostar de mim assim. Acho-me graça no meio de tanta miséria. Imagino-me a comandar um exército de vencidos da vida, pronto a repor a justiça no mundo e a retirar os privilégios aos afortunados da existência como tu. Idealizo tácticas para a minha vingança e visualizo a tua desgraça. Vejo-te gordo e sem esses músculos de modelo que humedecem os sonhos de teenagers histéricas. Ficaste careca e perdeste esse sorriso milionário de anúncio de revistas caras. E principalmente, principalmente meu caro, para além de te terem tirado o belo carro com que te passeavas nas avenidas da vida, perdeste o teu atributo de macho, aquilo que te deu maior prazer e fama, ficaste sem o tesão que era a tua coroa de glória e atributo de conquistas sem fim!


Sinto-me vingado e ainda assim sabe-me a pouco. Quero ver-te exposto num daqueles “reality shows” em que se amesquinham os concorrentes em nome da curiosidade e interesse das audiências. Melhor ainda, concretizo um dos meus outros sonhos recorrentes, em que és preso e mandado para uma prisão da pior espécie de um país do terceiro mundo, em que todas as noites do resto da tua existência serás violado por um bando de prisioneiros ansiosos por carne fresca. Ainda ris? Queres pedir-me perdão? Lamento é tarde de mais.


Vou escrever esse livro que nunca li. Para poder fazer a minha moral da história. Que perdurará “per saecula saeculorum”…



publicado por Perplexo às 11:25
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 12 de Dezembro de 2006
Vagabundos. Epílogo - hipótese 2, para os menos românticos...

Ela foi enviada para uma solitária em Sintra. Ele, desterrado para Pinheiro da Cruz. Fugiu ao encontro da mulher amada, aproveitando uma noite de monumental bebedeira futebolística entre os guardas e só parou em Lisboa. Ainda tinha mais um dia de caminhada até Sintra... entrou num bar do Cais do Sodré para matar a sede e a fome. Uma puta desafiou-o. Não teve forças para resistir-lhe. Ela roubou-o e, como se não bastasse, um conhecido advogado de extrema direita,  chocado com o gasto supérfluo, denunciou-o.


A mulher veio a saber da traição poucos dias depois, em entrevista transmitida em directo, a um fotogénico  Professor Universitário, preocupado com o estado desta nação. O Correio da Manhã quis entrevistá-la. Imolou-se com o jornal. Levaram-na para a Unidade de Queimados, onde mordeu a mão da enfermeira que a segurava e castrou o médico a pontapés. Conseguiu fugir do hospital com o cabelo ainda em chamas. Atirou-se ao mar do Guincho às 16:48 h do dia 22 de Novembro. Diz quem a viu que, numa das mãos, segurava um boneco de trapos pelo pescoço.


E ele? Na berma da IC19, portanto, ainda na Grande Lisboa, morreu de morte súbita em plena hora de ponta. Mas parece que todas as horas são de ponta na IC19, pelo que não se pode inferir que tenha sido  causada por engarrafamento.


No dia seguinte, os quintanistas leram no relatório da autópsia: dia e hora da morte - 22 de Novembro, pelas 16:48 h; causa - asfixia por estrangulamento.


O mar do Guincho passou a ser conhecido por ter poentes de cor vermelho-fogo.


Miriam



 


               



publicado por Perplexo às 00:09
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2006
Vagabundos. Parte II e Epílogo-hipótese 1.

Depois do primeiro encontro, nunca mais se largaram. Caixotes vasculhados  em busca de iguarias eram, para ela, clubes gourmet em dias de festa. Ele mimava-a com frascos de perfumes rejeitados, caixas de bombons já vazias, embalagens de fumados ainda viscosas do produto - era bom: a gordura serenava o frio e acalmava o buraco no estômago.


Celebravam todas as datas, ainda que vivendo sem relógio nem calendário (ou talvez por isso mesmo). Sabiam que era sábado pela expressão feliz dos outros , domingo pela preguiça das manhãs. Comemoravam, roubando-se beijos à frente de todos e as gentes espantavam-se daquela felicidade desgraçada, enquanto se iam desgraçando nas tramas da abundância. Passavam-lhes de largo, desculpando-se entre iguais com o suposto mau cheiro dos trapos, mas a verdadeira e mais funda razão é que lhes invejavam a in-diferença.


A polícia local veio a saber. Era preciso acabar com aquele desaforo, punir o crime, expiar a culpa  de tal afronta - não se pode ser feliz fora dos cânones autorizados...


Prenderam-nos. Espancaram-nos por confessarem uma verdade incómoda: amavam-se incondicionalmente.


Foi-lhes decretada prisão preventiva  (como se houvesse alguma prevenção para o Amor! e presos  viviam já, na paixão que alimentavam dia a dia; portanto, só lhes retiraram a única liberdade que lhes reconheciam: a de não serem cidadãos). 


O juíz descobriu, por uma denúncia do director da prisão, que se escreviam, usando as letras dos pacotes de açúcar. Proibiu que lhes dessem café. Insistiram, agora com as letras dos maços de tabaco que não fumavam e que traficavam com os demais, contando histórias de amor ao entardecer. Foram duplamente punidos: por prevaricação e abuso de poder - tinham semeado sorrisos nos lábios dos que os ouviam.


Ela foi metida numa cadeia perto da serra de Sintra. Ele foi transferido para Odemira. Fugiram, não se sabe ainda como, nem quem os ajudou - os  guardas foram ilibados por falta de provas e os processos disciplinares encerrados por caducidade.


 


                                                                                 * * * * * * *


Contavam os pescadores de Porto Covo que os viram ser levados em direcção à linha do horizonte, por um bando de gaivotas, numa madrugada qualquer.


 


Miriam 


 



publicado por Perplexo às 23:24
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 7 de Dezembro de 2006
Les Uns et les Autres. III.Inch'allah.

Aterraram na mesa, quentes e estaladiças. "Adoro comida indiana!" "E os páparis?" Corrigiu o acento, pressurosa, perfeccionista, a tentar imitar o empregado pele canela, olhar carvão. Observou. Escolhia atentamente. Ela escolheu apressadamente, distraída com n coisas em redor e também porque não gostava de comer, mas sim de petiscar, saltar de prato em prato, provar de tudo. E de beber. Mas a libação foi um solilóquio e o vinho desmerecia o momento.


Voltou a observar, através do vidro barato do copo. Transparente - opaco - olhar - a cor - o lugar -as cores - os sentidos - sim, ou não. O cérebro a disparar, veloz o pensamento,o corpo controlado. O banco incómodo, alto demais, sentia-se num púlpito a discursar. Horrível, queria estar lá em baixo a partilhar, o pão borracha, os molhos inebriantes - bem vindos os sabores novos, este sabor novo e grato. Assustador. As unhas na defensiva, hoje não trazes verniz, pois não, isso é importante? sorrisos e reticências,  Ingmar não te metas, a vida já tem ficção suficiente.


A sobremesa era verde. Dividida. Verde lembrava-lhe algo importante e não queria re-conhecer, mas já isto é conhecer duas vezes, pelo menos. E o repasto estragado com uma água acneica, que horror, não há cozinheiro que aguente tamanha falta. Uf, a refeição arrasta-se, o tempo não (es)corre na ampulheta, já lhe dói o traseiro, farta de estar mal sentada, isto nunca mais acaba para passar  ao imediato - esta urgência no viver -, o futuro é agora, que o fim é sempre iminente  (o outro já sabia disto, por isso é que inventou a filosofia do instante, não tinha ilusões, coitado, morreu doido agarrado ao cavalo)  -  carpe diem, imbecil, fazes sempre o contrário do que devias (?) e não há culpa que te valha. Todo o tempo é tempo perdido por uma causa herdada, não sabias?


E a noite estragada por uma guloseima rejeitada, agora já não há, vão fechar para descanso semanal ou ad aeternum, che sera, sera. Vem a conta e tu fazes de conta que não sabias, não sabes, não queres é saber, enterras  a cabeça na areia ou no volante, na rua tens vontade de voltar atrás, saborear o que perdeste, mas o tempo é um fio sempre desenrolado para o mesmo lado...a negra com quem te cruzas vai guinchando ao telemóvel que o seu homem quer é que ela fique com a minina para ir ao concerto do Paulo Gonzo, não querem lá ver? sózinho, pois claro, sem ela, onde é que isto já se viu, eles agora também se querem emancipar - e a raiva põe-na a comer uma baga venenosa; humanista ele acorre, a tragédia iminente não se desenrola, salva-se a negra e a consciência, que lindo o momento, assim é um gosto viver, prender o fio, enganar-lhe as voltas - às vezes até deus conseguimos sentir-nos. E agora, adeus,  dorme bem, boa noite, um dia destes repetimos. Talvez. Inch'allah moura,ou  moira, sabe-se lá!


Miriam 



publicado por Perplexo às 15:03
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 6 de Dezembro de 2006
carta de desamor natalício
Rio de Janeiro, 24 de Dezembro
  

 


Querido Pai,

 


Basta. Acabou. Há meses que não punhas os pés no ginásio. Estavas gordo que nem um porco. Esse cabelo e essa barba metiam medo de grandes e ainda por cima não usavas a tinta para tapar os brancos. Mas enfim, o meu amor por ti até conseguiria ultrapassar tudo, não fosse a tua indiferença. Saías mal o sol nascia, trancavas-te na oficina e quando voltavas às tantas, é o que se sabia. Não me esqueço que te tentei acordar enquanto roncavas no sofá. Vesti a lingerie vermelha que me deste na nossa lua-de-mel, aquela dos sininhos que tanto gostavas de tocar. E nada. Arrastaste-te para a cama para continuares a sessão de ronco. Andava tão desesperada, que cheguei a ler revistas em busca de conselhos para salvar o nosso casamento. Até escrevi uma carta a perguntar se deveria embarcar nessa tua fantasia de ménage com os duendes. Que estúpida. Mas um dia, fui dar com o Rodolfo à nossa porta. Estava com dor de corno o pobrezito. E eu ali, carente. Confortámo-nos enquanto tu estavas fechado a embalar bonecas floribella e bolas autografadas pelo Cristiano Ronaldo. Se não fosse com ele, teria sido com outro, que já havia esgotado o stock de pilhas do Pólo Norte. Por isso não estranhes se te faltar uma rena ao trenó. Quando leres esta carta já estaremos a curtir o sol de Copacabana, que bem preciso ganhar uma corzinha. O Rodolfo usa um protector forte, mas não se livra daquele nariz vermelho, que aliás dá imenso jeito nas brincadeiras no quarto do hotel. Não te desejo mal, até espero que distribuas as prendas a tempo e não fiques preso em nenhuma chaminé. Mas agora tenho de ir, que o Rod está à minha espera para as boas festas.  Bom trabalho e até sempre,   

 


A tua Mãe (ex) Natal


publicado por Perplexo às 21:04
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds