Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Quinta-feira, 17 de Agosto de 2006
tanto (a)mar - alex gil
tenho a certeza de que vou morrer no mar. ninguém acredita. nem sequer tu, mesmo embriagado pelo terceiro charro do dia. estou tonta. não sei se é efeito do cheiro da erva se da tua mão entre as minhas pernas. as gaivotas parecem-me aviões. um esquadrão a sobrevoar a praia. ris e concordas. mais uma foto do céu, tirada com o telemóvel através do pára-brisas. digo-te que olho as nuvens em busca de forma familiares. mas minto. já não tenho esses devaneios infantis. mudo de conversa. ajeito o vestido. aproxima-se um carro. e nós aqui, armados em exibicionistas. falas do que sei e não quero ouvir. estragas tudo. tens esse dom maldito de me trazeres de volta à realidade. apagas-me o desejo. meto a marcha-atrás. já não quero partilhar o mar contigo. apenas a morte.


publicado por Perplexo às 21:22
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 11 de Agosto de 2006
A inevitabilidade da ausência e as saudades

Dizem que a saudade é um sentimento típica e unicamente português. Apesar de me considerar típica e unicamente portuguesa, não consigo partilhar desse sentimento. Pelo menos por pessoas.


Quando estou fora, tenho saudades dos cheiros, da comida, da educação, da música, da imaginação, criatividade e improvisação portugueses.


Porém, quando estou por terras lusas não consigo sentir saudades pelos que estão fora. É que nem me lembro que existem! Nem que partilhemos vidas. Durante anos lidei com a situação de ausência. Quando passava tempo demais, tinha até de consultar registos de imagem para me lembrar da cara da criatura. Não tenho alma de Penélope.


Definitivamente só sinto falta das pessoas quando estão presentes.


AnaGod



publicado por Perplexo às 18:10
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 8 de Agosto de 2006
mesa amarela (alex gil)

 alex 2006


a mesa amarela. seria a sua última imagem. aquele cenário que tantas vezes fotografara quando a cidade a sufocava e ia até à outra margem em busca de uma solidão sem sobressaltos. teria de ser a mesa amarela a imagem de despedida. tivera sempre a certeza de que a morte iria encontrá-la no mar. mas naquele final de tarde, o rio já lhe parecia suficiente.


publicado por Perplexo às 20:05
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds