Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Domingo, 23 de Dezembro de 2007
Talvez uma doença?

A estrada rasgava-se na sua frente. Àquela hora o tráfego era comummente intenso mas ainda sem paragens para entrar na ponte. Encostou-se à direita e negociou devagar as curvas que lhe iam surgindo, deixando que os outros o passassem em velocidade acelerada. Sentia-se tolhido de movimentos e sem qualquer vontade de regressar a casa. O leitor de cedês do carro desfiava músicas dos Dire Straits, um disco adquirido na loja da Virgin em plena Picadilly no coração de Londres. Lembrou-se com saudade dessa viagem, a última que fizera com as filhas Maria e Marta, que nesse tempo ainda adoravam viajar com o pai e a mãe Bárbara. Anos mais tarde as raparigas saíram de casa com destinos diferentes. Maria a mais velha, trabalhava em Bruxelas ligada à Comissão Europeia. Marta optara por doutorar-se nos Estados Unidos, numa universidade do interior americano onde leccionava. Restava-lhe apenas Bárbara… e o Filisteu, um rafeiro trazido para casa por uma das filhas, encontrado abandonado na rua.


A mulher? Recordou a primeira vez que a viu numa festa de aniversário numa vivenda enorme para os lados da Caparica. Era a mais bela de todas, de longos cabelos doirados e olhos muito azuis. Ao seu redor uma corte de jovens tentavam inutilmente captar-lhe a atenção e quiçá conquistar-lhe o coração. Mas Bárbara reparou logo em Sabino, que percebeu o olhar penetrante e voraz da rapariga, mas fez de conta que era nada com ele. Cumprimentou uns amigos aqui, osculou duas amigas mais à frente, entreteve-se a conversar com outros. A jovem seguiu-o com o olhar para profundo desânimo dos conquistadores que a rodeavam. Quase no fim da festa foram finalmente apresentados. E desde esse instante Bárbara jamais o abandonou. Dois anos mais tarde casavam com pompa e circunstância num palacete em Sintra. Nasceram as filhas, Sabino herdou o negócio do sogro, a vida tornou-se diferente… Repleta de muitas festas, jantares, longos fins-de-semana na neve, uma mão cheia de rigorosamente nada…


Hoje Bárbara era uma mulher doente devorada pelo álcool e pelos medicamentos. Se não estava embriagada, drogava-se com ansióliticos e antidepressivos. Era impossível manter um diálogo normal com ela. Concluía um conceituado psiquiatra que a acompanhava que só um grande choque emocional a traria novamente ao mundo real. Até lá… era aguardar.


Até lá moía o juízo a todas as empregadas que dificilmente aguentavam mais que uma semana os maus génios e as imbecilidades de Bárbara. Depois era a ele que se atirava quando já não tinha mais ninguém. Um inferno de vida que Sabino não sabia minorar nem resolver.


Retornava a casa cumprindo uma promessa que fizera momentos antes à mulher. Mas o desejo de não aparecer era muito maior pois adivinhava antecipadamente o que iria encontrar. Aproximou-se dos primeiros tabuleiros de acesso à ponte por cima de Alcântara conduzindo sempre em velocidade moderada, tentando em vão retardar a chegada. À sua frente surgiu o Tejo, mais mar que rio, um espelho a devolver em tons brilhantes a luz reflectida do sol da tarde. Do outro lado o Cristo-Rei mais parecia um portageiro, de braços abertos querendo abraçar Lisboa – como dizia o poema. De súbito uma ideia surgiu na mente. Era um pensamento tolo e idiota porém verosímil. Parou de supetão a viatura em cima do viaduto, ligando os quatro piscas, como estivesse avariado. Vestiu o colecte reflector e foi ao porta-bagagens donde retirou o triângulo colocando-o à distância recomendada por lei. Os outros veículos desviavam-se agora, criando desde ali uma fila que Sabino pode reparar se começava a estender para lá do que a vista alcançava. Finalmente circundou a viatura e num ápice subiu o primeiro separador da ponte e empoleirou-se no gradeamento de fora. Foi um momento… simples.


Deixou-se cair… Ainda conseguiu ouvir uma voz gritar:


- Meu Deus, não faça isso…


 O ar entrava-lhe a uma força tal que quase nem conseguia respirar. Viu o comboio a passar e uma face de espanto por detrás da vidraça. O chão aproximava-se a uma velocidade vertiginosa. O que há pouco lá de cima pareciam minúsculos pontos eram agora objectos cada vez maiores. Cresciam abissalmente: carros, casas, pessoas. Naqueles breves segundos, lembrou-se do que acabara de fazer e porque o fizera. E obteve um derradeiro pensamento: para que te cures Bárbara!


Já nem sentiu o corpo esborrachar-se contra o chão da calçada da Tapada, nem ouviu o grito de D. Cesaltina que por ali andava a passear o Bolinhas, um cachorro velho e quase cego e que se assustou com o baque seco e forte do corpo pesado a bater no pavimento, ladrando timidamente. Mais tarde alguém tapou o cadáver antes da chegada da ambulância e da polícia. Os comentários eram invariavelmente os mesmos:


- Que levará uma pessoa a fazer uma coisas destas?


Alguém respondeu:


- Talvez tivesse alguma doença…


Bárbara após o funeral, curou-se finalmente: encheu-se de álcool até morrer de cirrose…



publicado por Perplexo às 15:59
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds