Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2009
Porque é que eu não gosto de ir à Missa, por Maria Luísa

Sou crente e sou católica. Mas não gosto de ir à Missa.


 Ficou-me desde a infância, aquele cheiro a mofo e a hálito de retardado jejum, que se me fixou no olfacto e na memória, “seculo seculorum”... Também nunca esqueci o pulguedo e percevejada que invadia as minhas pernas no Verão, bem como as das elegantes senhoras, de chapéuzinhos floridos e vestidos de “crepe da China”, que tentavam atenuar as danadas comichões, roçando disfarçadamente uma perna na outra.


 De Inverno, a coisa também não melhorava. A igreja era um gelo, entrava chuva lá dentro, e havia sempre alguém que sistematicamente me espirrava para o pescoço...


 Entretanto, começava o coro das tosses. Como uma matilha de cães quando começam a ladrar – era só um começar a tossir – seguia-se logo um rosário aflito e dissonante dos constipados e dos propensos a bronquites crónicas.


 É claro que a leitura do missal, ainda por cima em latim, mal se ouvia, mas também a ninguém já se importava.


 Não esqueço – nem perdoo o que então me aconteceu. Nessa mesma igreja, o padre velho e ranheta que aí dava as missas, já tinha topado quanto me constrangia ouvi-lo falar do inferno. Eu tinha nove aninhos e acreditava em tudo. Pois ao destapar a caixa de Pandora onde se escondiam os infernais fogos, era em mim que depunha aqueles olhos de iguana das Galápagos, inflamando a voz, e gesticulando ameaças seculares.


 Um Domingo, enchendo-me de coragem, resolvi confessar-lhe os meus pecados, que já julgava imensos e terríveis.


 Pois a primeira coisa que esse senhor se lembrou de me perguntar foi se era virgem. Honestamente respondi-lhe que não, que a Virgem, essa estava lá no Céu com o Menino Jesus. Aos berros chamou-me “estúpida” e mandou-me para casa “pentear macacos”. Saí, aterrada, e cheguei a casa em profuso pranto, mas sobretudo preocupada em “como encontrar macacos para pentear – seria no Jardim Zoológico?!”


 Ao contar toda esta história à minha Mãe, ela não disse nada. Mas proibiu-me terminantemente de voltar aquela igreja.


 Exceptuando uns anos mais tarde, onde frequentei um colégio de freiras - de excelentes professoras, diga-se de passagem – não voltei tão cedo a ouvir missas. No entanto, como sou justa, devo dizer que nesse colégio a capela era limpa, sempre com um rico cheirinho a incenso, e que o padre capelão, jovial e bonacheirão, não fazia perguntas estranhas, e perdoava com humildade os inocentes pecadilhos do seu rebanho. E as missas, rápidas e claras não chateavam ninguém.


 Passados anos, casei-me, não fui feliz, e já esquecera sermões e missas. Rezava uma Avé Maria e um Padre Nosso diários – “y punto” – como dizem os nossos vizinhos espanhóis. 


 Muito mais tarde voltei a casar-me e julguei poder fazer definitivamente as pazes com toda a corte celestial.


 Todavia...uma vez por curiosidade, decidi visitar uma igreja próxima da nossa casa. A igreja estava rodeada por um bonito jardim, aromatizado, em profusão, com nardos, jasmins e suculentas rosas. Gostei. Da igreja, por fora nua e fria, não gostei tanto. Que pena que já não se construam aquelas pequeninas igrejas românicas escuras e solenes, que chamam para dentro e não para fora. Ao entrar, junto ao altar, aquela enorme Nossa Senhora, de rosto aborrecidinho e peito achatado de tísica, não apetecia à devoção. Na capela ao lado, uma amorosa Virgem, do século XVII, dando de mamar ao Menino, essa sim aconchegou-me a oração.


 Começou a missa. Já não era em latim, mas lá estava a tal vozinha espremida e amaricada, que continua a ser o estandarte ridículo da moda clerical. Porque será que os padres não falam normalmente, ao dizer a missa, ou a pregar?


 De repente, esturge o órgão, a esganiçar um não sei quê atrapalhado e, logo a seguir, salta a melodia...


 Oh meu Deus! Eu não me pus a rir por vergonha... Num Nhã...Nhã...Nhã... sensaborão e sem graça, duma banalidade só comparável às canções do M. Paulo, aquilo bradava aos Céus!


 Tenho a impressão de que Deus, que tem bom gosto, ao ouvir cânticos triviais e lamechas como este, é capaz de simplesmente os mandar às urtigas. E, arreliado com tanta estupidez, largará um veemente “Chiiiiça!...” Ou algo pior...


 Por favor, não componha nem cante quem não o sabe fazer. Música religiosa? É linda! Porém não tem sido aproveitada. Escutem, por exemplo, as maravilhas dos Monges de Silos, escutem e gravem outros cantos gregorianos -  que os há, esplêndidos de vigor e santidade. Que se escutem, durante as missas – já que ninguém as canta bem ao vivo – gravações de obras de Bach, Vivaldi, Mozart, Carlos Seixas, etc, e até a extraordinária Missa amazónica, cuja beleza extasia o mais descrente.


 Lembrem-se também de afinar órgãos antigos – em Mafra existem oito, do século XVIII, que estão à deriva – e isso, sim é que é um atentado à arte e à religião.


 Todavia... ia-me esquecendo outro contratempo que tanto me alterou naquele dia.


 Foi na altura do Padre-Nosso.


 Como é fácil calcular, a moda, gentil mas fatal, do aperto de mão fraternal quando se cita o Padre Nosso, vem, em pleno Inverno, acelerar alegremente o cultivo e propagação, em cheio, das constipações e das gripes. Pois, nessa ocasião, estava à minha frente uma velhota, que levou o tempo todo a assoar-se ruidosamente a um lenço de papel. Era aflitivo ouvi-la “descarregar”... Lembrava-me a lava de um vulcão, quando alastra lenta, esponjosa e volumosa, pela encosta...Ao acabar uma assoadela, lá metia ela o lenço – sempre o mesmo – num saco que parecia servir de saco do pão... E a mulherzinha, depois de limpar a mão peganhenta à saia, não é que vai sorrindo boamente, estender a mão aos demais?!!!


 Espavorida, esgueirei-me sorrateiramente para o banco de trás. Depois, não aguentando mais, saí porta fora. Sou crente e sou católica, mas Missas assim, tenham paciência, para mim, não. Não gosto. E por isso não tenciono repetir esta experiência.


 Que assim seja. AMEN.  


Maria Luísa Loytced-Hardegg



*






publicado por Perplexo às 12:59
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds