Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009
"Um livro pouco Importante" por Claudia Vidal Pinheiro

 Lourenço mal se preparava para a noite. Resistente ao ritual de se instalar na cama para dormir pede auxilio a quem com ele, durante anos, o acompanhava nesta passagem. “Vai-te deitar, são horas”, dizia a mãe num tom que ele adivinhava e deixava que se repetisse vezes sem conta. “Estou cansada de te dizer, vai-te deitar”. Lourenço não gostava desta despedida. Custava-lhe deixar o dia. Ainda estava a saborear todos os momentos que interessadamente procurara; jogar com os amigos à bola, falar de um possível presente de Natal, especular sobre um fim-de-semana na casa de um amigo, ou sobre a próxima visita ao pai que vivia no campo. “É a última vez que te digo para ires para a cama”, ditou a mãe num tom imperativo. Talvez fosse este sentido de dever arrastado que o impelia a ir para a cama resignado. O quarto estranho, escuro, arranjado à maneira de um rapaz da sua idade, parecia terreno desconhecido, a ser conquistado, como se de Aljubarrota se tratasse. Medo de prováveis armadilhas e falsos esconderijos nos quais pudesse, com a mãe, tropeçar. Lourenço, um cavaleiro de aventuras diurnas, não gostava de se arriscar à noite. Desconfiava do que a noite lhe podia oferecer. “Sonhos”, propunha-lhe a mãe; “pesadelos”, pensava ele. Desejava ter a mãe sempre por perto, só para ele. Lembrava-lhe outras companhias que não as da escola, recuperava territórios quentes de abundâncias várias, visinhadas de ternura, risos, jogos de prazer e excitações comedidas que não queria abandonar. A mãe. “A mãe está aqui”, dizia-lhe para o acalmar. Olhava para ela, agarrava-lhe a mão, agitava-se querendo encontar um recanto frio nos lençóis envolvendo-se tocado por uma pele fina como a areia do deserto. Uma beleza clássica que o inspirava e que o levava ao sono, de um momento para o outro, abandonava-se e adormecia. Uma espécie de melodia Pop agitou o telefone de forma estridente e apressada. Lourenço atendeu. Era a mãe noticiando que  se dirigia para o aeroporto, um trabalho urgente chamava-a para um país distante. Nessa noite, Lourenço ficou sem ninguém. No quarto, à hora de deitar, abriram-se caminhos de uma solidão incómoda por onde teve que passar, e hesitantemente, se desviar para não tropeçar. Antes de adormecer, tentou fazer-se acompanhar e, deitando mão a uma paisagem lunar, encontrou um menino de cabelo de oiro a olhar as estrelas que, com uma voz muito fininha lhe pediu, “conta-me um sonho”. “Um sonho?”, exclamou Lourenço, levantando-se de um salto. Esfregando os olhos, viu o menino com um ar muito sério, “conta-me um sonho”, insistiu. Lembrara-se da parafrase que a mãe evocava  “quando um mistério é grande demais, não nos atrevemos a desobedecer”. Nunca tinha pensado contar um sonho a alguém. Resistira tão afincadamente durante anos aos convites da mãe. Respondera ao menino que só pesadelos, ao longo de anos só tinha tido pesadelos.”Não, pesadelos não”, resmungara o menino. E contrariando a pouca vontade perceptivel na voz de Lourenço, tornou a insistir “sonhos, quero sonhos”. Repentinamente, assomava-se a possibilidade de uma aventura nocturna. Timidamente Lourenço atreveu-se, “A minha mãe foi para um país muito distante, tão distante que tem que se atravessar um deserto, pois, ela foi num avião, e o avião caiu, estava com um problema no motor e como não havia mais ninguém para o arranjar teve de o consertar sozinha, à noite, já cansada, deitou-se na areia e adormeceu, distante daqui, de mim que sou seu filho e de tudo, foi acordada por uma voz fininha, a pedir “conta-me um sonho”. Lourenço, acariciou o volume compacto de um papel ilustrado e dirigindo-se ao menino começou a ler “O Principezinho”, e articulando receosamente as palavras soletrou “Uma vez, eu tinha seis anos, vi uma imagem magnifica...” e contou o sonho.

 



publicado por Perplexo às 12:04
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Letrario Editora a 7 de Julho de 2010 às 15:38
Se é autor de Língua Portuguesa e está interessado em publicar um conto original e inédito na Letrário Editora, beneficiando gratuitamente da revisão do Letrário, deverá enviar o conto, em formato editável, para letrario@letrario.pt, juntamente com uma breve biobibliografia. Caso o conto cumpra os requisitos de qualidade literária e linguística da Editora, ele será publicado e depois divulgado, junto das pessoas com quem o Letrário comunica regularmente. No envio do texto, estará implícita a cedência não-exclusiva dos direitos de autor do conto enviado, indispensável à respectiva publicação.

Conheça a nossa editora em:

http://www.letrario.pt/1_pt/900/9001.htm


Comentar post

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds