Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009
Carta de desamor, de Ana Cristina Melim

“Adeus, princesa!”

 

Esguia, esbelta, foi assim que te conheci. Fugidia, arredia, assim te comecei a amar. Os teus olhos verdes, com lampejos dourados são rasgados, lindos, penetrantes, era impossível resistir-lhes!

Encontrava-me, num relaxe total, a apanhar banhos de sol quando pus os olhos em ti! Daí à paixão desmesurada, foi uma questão de horas… Instalaste-te, muito perto, com duas amigas com quem conversavas animadamente numa cumplicidade crescente. Olhávamo-nos de soslaio, mas logo desviavas o olhar … num querer disfarçado de não querer! A paixão aumentava dentro de mim, apetecia roçar a minha na tua face, denunciar a minha satisfação… Contudo, aguentei-me firme, a semi-cerrar os olhos e a observar-te através da ténue sombra dos meus olhos… As tuas amigas foram, tu quedaste-te… parecias estar receptiva ao sentimento arrebatador que já começara a sentir!

Imaginei-te a minha companheira por largos tempos. Iríamos passear os dois, correr de cabelos desgrenhados como duas crianças, caçar borboletas… Iríamos roçar na macieza um do outro, aspirar o odor inebriante que exalamos; deitarmo-nos no prado repleto de flores pululantes, pequeninas, a imaginar desenhos nas nuvens: “aquela parece um cavalo de corrida a competir…”, “e aquela, não te lembra um outro cavalo a galopar, com a crina a dançar ao vento?”, ainda: “aquela além lembra um regador pleno de água, a verter para a natureza”, “que linda esta, parece uma cama fofa para nela pularmos, pularmos … e desatar a rir que nem doidos!”. Como era divertido estar a teu lado, extasiado com o teu ser, a sentir uma paixão crescente e inevitável! Eras a minha princesa, de olhos verdes com lampejos dourados… olhos que fizeram despoletar a minha paixão! E a tua figura esguia, esbelta, a aumentar o meu sentir!

Quando me preparava para abordar-te, pois os nossos olhos pareciam não se querer apartar, surgiu, repentinamente, um outro macho, a transpirar insatisfação por todos os poros e, ainda por cima, a rezingar contigo… Ergueste-te veloz, mas uma das tuas pernas dianteiras escorregou. Tentaste agarrar-te ao muro bem alto. Acabaste por saltar agilmente, mas ficaste imóvel no chão, muito quieta… segundos talvez. E eu, fiquei cheiinho de medo por ti, pela tua espécie de queda aparatosa. Contudo, ergueste-te de novo e afastaste-te à velocidade da luz… Afinal, os gatos têm sete vidas… Adeus, princesa!   



publicado por Perplexo às 12:03
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds