Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Sexta-feira, 14 de Julho de 2006
Adiante, camarada
Nuno José Ribeiro

Ficção apresentada ao “Prémio Barata-Novas Escritas 2001”


“Eu quero ser a Revolução. A Revolução, A Revolução. De arma na mão! Com atenção. À reacção!”


O jovenzinho imberbe veste de preto. A inevitável t-shirtzinha com a celebérrima imagem do camarada Che. Imago mundi? Na cabeça, boina preta efeitada por estrela vermelha.


Em redor do jovem “Pushckin”, um bando de estudantes. Eles de ganga e lenços étnicos, elas de saias compridas, sandálias de couro, lenços e mochilas de lona.


A sala explode em aplausos. O poeta agradece. É sempre bom ver reconhecido o talento, para mais por parte duma mole acéfala e acrítica. Viva a Revolução.


-Camarada! Estás na vanguarda do combate à reacção. Contigo, com jovens com tu, a reacção não passará.


-Obrigado camarada! diz o poeta, com uma emoção contida nos olhos. “Com um brilhozinho nos olhos”, diz a canção.


A sala explode em aplausos. Hoje há festa na célula. É o aniversário do partido. O grande facho da vanguarda contra a opressão burguesa.


Hoje, jovens, inocentes e eternamente jovens, e velhos, senís e obtusos, comemoram décadas de delícias torcionárias. A crueldade em nome da luz. O império do Gulag.


A sessão iniciou-se com a leitura de uma mensagem do Grande Torcionário,esse velho de cabelo branqueado, émulo de Torquemada, seguida de um video com a exibição do Rancho Folclórico de Nossa Senhora Vermelha dos Urais.


Depois o lanche. Bolas-de-Berlim-Leste e Sumolovsky.


A teminar, qual estrêla vermelha no topo, um baile.


Não um baile qualquer, desses com os quais a burguesia decandente e opressora perde o seu tempo em boites e discotecas, escuras e sujas como a mente e os dedos do capital.

Não! É um baile canónico. De acordo com os príncipios vermelhos.


É um baile em que o roça-roça é uma forma de luta contra a opressão, a reacção e o Grande Império do


Mal- os Estados Unidos e o seu all-mighty dollar. Uma mão na cintura liberta 50 kmers vermelhos, passar a costa da mão no mamilo liberto da menina vale meia UCP.


E, lentamente, os jovens camaradinhas vão fazendo a ocupação selvagem das jovens Latvias, Laikas e Catarinas Eufémias.


“En route” ao Grande Objectivo Final: a tomada da seara, umas vezes dourada, outras morena, outras fulva, pelo grande libertador. Falocracia e luta de classes.


E entre a monda e a seara ergue-se, estoicamente a Grande Muralha da Mãe-Camarada.


“ Revolução, revolução, sim. Com a minha filha não!”


O jovem visionário prossegue a sua retórica persuasiva. A cada Karl Marx a sua Madame Engels. E eis o martelo que se levanta, a foiçe metida em seara alheia. Enfim libertos do espartilho opressor da moral burguesa.


Os jovens- Carlos Ernesto e Rosa Fidel- estão já lutando arfantemente por uma sociedade sem classes em que tudo e todos serão uns dos outros. E a canção...do bandido é uma arma.


A entrega à causa, o despojamento, o altruísmo, a força das convicções dogmáticas, são tais que estão já libertos de qualquer roupa, essa invenção capitalista que distingue pobres e ricos, como outrora o ferro dos condenados.


Não! Estão já nús, iguais entre sí, nos corpos distintos, mas unidos na luta por um mesmo desejo. E a boca do jovem Puschkin verte já elogios aos gémeos de Rosa Fidel, irmanados e erectos na acção revolucionária.


O olhar do pequeno Carlos Ernesto percorre com brilho visionário todo um corpo ardente de vontade de lutar. E, por fim, eis chegado o momento da tomada do Palácio de Inverno.


A jovem vai-se encantado com o canto de sereia dos amanhãs que cantam.


Não, não passarão. Sim, oh sim. Oh siiiim. Estou... estou-me a ver ... na revolução.

E eis que verte o sangue vermelho escuro de quem se inicia nos ardores revolucionários.


Hoje são dois, amanhã, porventura, três. Há que formar heróis para partir os dentes à reacção.


Carlos Ernesto arrulha com voz de pomba não alinhada:


-Insulta-me!


Rosa Fidel responde “ Capitalista! Sim, meu porco capitalista opressor!”


Rosa Fidel sente Carlos Ernesto firme como se fora o Homem de Aço ou o Homem de Mármore.


Os ardores revolucionários deram os seus frutos. Em Novembro, quando se comemora a Revolução de Outubro, Rosa Fidel e Carlos Ernesto tiveram o seu primeiro bolcheviquezinho. Uma criança perturbada.


Chamaram-lhe Vasco Otelo.


Desde os seus dois, três anos que o Vasquinho subia para os bancos e debitava discursos histéricos e inflamados sobre a forca e a muralha de aço.


O padre da paróquia, generosamente cognominado “o Kerensky de Nafarros”, à míngua de melhor ocupação, alfinetava-o chamando-o “paranóico”.


Carlos Ernesto continua a sua luta pela revolução poética enquanto Rosa Fidel enbarrigava a olhos vistos.


Nos entretantos, Carlos Ernesto dedicava-se com ardor beático à conversão de jovens burguesas às delícias socialistas, tocando-as com a ponta da sua estrêla vermelha.


Com o afinco, empenho, altruísmo e espírito de sacríficio daqueles que se dedicam às grandes causas, esta alma despojada, qual mártir revolucionário, não perdia oportunidade de exibir a grandeza dos seus argumentos às infelizes -perdidas na sociedade consumista.


Com o tempo, criou um bando de seguidoras dedicadas e generosas ao ponto de sacrificarem os seus corpos à vanguarda da Revolução.


E, no entanto, Rosa Fidel,numa clara cedência à medíocridade e mesquinhez burguesas,estranhava:


- Por que razão só tens seguidoras?


-Porque as mulheres são mais inteligentes e corajosas, respondia-lhe Carlos Ernesto.


A mulher socialista é uma visionária. Vê para além da mesquinhez quotidiana. Percebe que não importam as pequenas mediocridades e infidelidades quotidianas. Trabalhar, pagar contas. Não! Nada disso importa. Seja.


Enquanto debitava pela enésima quinta vez o Rosário da Nossa Senhora Mãe de Todas as Revoluções, Carlos Ernesto aproveitava para despir Rosa Fidel. À míngua de melhores argumentos...


Como diz um brocado comunista, “ uma mentira, mil vezes repetida, torna-se verdade”...


E, en passant pour M. Hegel, o presente não tem só efeitos sobre o futuro; também modifica o passado. Os heróis de ontem são os biltres de hoje, os esquecidos de amanhã. Por isso, há-que apagá-los das nossas fotografias colectivas, como ensinam as testes revisionistas.


À boa maneira da Santissima Inquisição, a verdade é sempre só uma. Tudo o mais são desvios, devaneios, cendências aos cantos da sereia capitalista.


E é preciso punir exemplarmente quem insiste em não ver a Luz.


“Aprender, aprender sempre”.


Este texto é do Nuno José Ribeiro; a linha abaixo é porque fui eu a colocá-lo na página e não consigo apagá-la...


publicado por Perplexo às 17:14
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds