Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Segunda-feira, 30 de Outubro de 2006
Oh, Cindy...
Carta de desamor de Manuela Tavares

Cindy


A nossa história acabou. Não posso mais olhar a nossa imagem milhares de vezes repetida nos livros, no cinema, e até em invólucros de chocolates e pastilhas elásticas. Suportei quanto pude, mas foi demasiado tempo, quase 300 anos a fazer de conta, a representar um falso amor, um falso casamento.


Sim! Ainda hoje não acredito, como foi possível sustentar um casamento não consumado todos estes anos. Lembras-te como eu te suplicava: - Vamos fazer amor Cindynha, vamos apimentar o nosso conto de fadas. Mas tu, sempre sorridente e trocista, respondias: - Querido, não extravases o teu papel, essas cenas não constam do nosso contrato nupcial. - Não posso ser vista suada e desgrenhada, já basta ao que me sujeitei no passado, sempre suja e enxovalhada.


E eu que te amava acedia durante mais um século à uma vida de celibato. Mas, agora basta!, não posso mais reprimir a minha masculinidade, aliás tenho que te confessar, que nos últimos anos te traí algumas vezes, ligações passageiras, a odaliscas das Mil e uma Noites e a personagens sobejamente conhecidas de outras histórias, que o meu pudor e descrição não me permitem reproduzir com mais detalhes.


Não imagines porém, que a simples ausência do amor carnal, foi o motivo bastante para o meu afastamento. Não, não foi essa a única razão para esta separação. A origem reside em mim, no meu descontentamento, na insignificância do meu papel a teu lado, no desequilíbrio da nossa relação.


Exercita comigo a memória do nosso passado e vê que imagens construímos; Tu sempre e em qualquer situação uma mulher maravilhosa, eu um simples príncipe apagado, sem país, sem vida própria e até sem nome. Olha mais um pouco, Cindy, se tens dificuldade em recordar vê em DVD, ou lê nos livros, vê como só existi para te servir e para satisfazer os caprichos de um autor caquéctico. Ah! Como eu abomino aquela cena do baile, a dançar sempre a mesma valsa, a tal da meia-noite, sem sequer poder falar, ou suspirar, já que também a fala me era negada, para que tu pudesses brilhar.


E como se não bastasse, ainda havia a tua fuga, e depois a parte ridícula de tu seres uma mulher de sapato de número único e eu patético a acreditar e a descalçar-te aquela horrível soca e a colocar-te um sapato de cristal. Recuso-me a repetir mais as mesmas cenas, não quero ser mais esse príncipe não identificado. Eu quero ter uma personalidade só minha, eu quero um papel principal.


Estou decidido, vou abandonar-te, mas não te preocupes, que não te desamparo, já falei com o Perrault sobre a nossa separação e ele concordou ajudar-nos, a ti vai manter-te na mesma história e propõe um “casting” para escolheres um novo príncipe figurante, quanto a mim vai adaptar-me a um novo projecto do realizador Almodôvar. Apesar de não saber ao certo que papel vou representar, já estou a trabalhar intensamente no meu novo personagem, treinando diariamente corridas de saltos altos e expressão corporal, também deixei crescer o cabelo e estou a aprender a maquilhar-me.


Suspeito que me está destinado finalmente um grande papel, quem sabe o de um super-herói, eu sempre ansiei ser um super-herói, daqueles com dupla personalidade, que usam fato e gravata durante o dia, e vestem fatos bizarros e collants à noite, para seduzir a humanidade.


Não me procures mais, provavelmente se me voltares a ver não me irás reconhecer, desejo que encontres a felicidade, adeus Cindy.


O príncipe que em breve terá um nome



publicado por Perplexo às 10:58
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds