Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Quinta-feira, 7 de Dezembro de 2006
Les Uns et les Autres. III.Inch'allah.

Aterraram na mesa, quentes e estaladiças. "Adoro comida indiana!" "E os páparis?" Corrigiu o acento, pressurosa, perfeccionista, a tentar imitar o empregado pele canela, olhar carvão. Observou. Escolhia atentamente. Ela escolheu apressadamente, distraída com n coisas em redor e também porque não gostava de comer, mas sim de petiscar, saltar de prato em prato, provar de tudo. E de beber. Mas a libação foi um solilóquio e o vinho desmerecia o momento.


Voltou a observar, através do vidro barato do copo. Transparente - opaco - olhar - a cor - o lugar -as cores - os sentidos - sim, ou não. O cérebro a disparar, veloz o pensamento,o corpo controlado. O banco incómodo, alto demais, sentia-se num púlpito a discursar. Horrível, queria estar lá em baixo a partilhar, o pão borracha, os molhos inebriantes - bem vindos os sabores novos, este sabor novo e grato. Assustador. As unhas na defensiva, hoje não trazes verniz, pois não, isso é importante? sorrisos e reticências,  Ingmar não te metas, a vida já tem ficção suficiente.


A sobremesa era verde. Dividida. Verde lembrava-lhe algo importante e não queria re-conhecer, mas já isto é conhecer duas vezes, pelo menos. E o repasto estragado com uma água acneica, que horror, não há cozinheiro que aguente tamanha falta. Uf, a refeição arrasta-se, o tempo não (es)corre na ampulheta, já lhe dói o traseiro, farta de estar mal sentada, isto nunca mais acaba para passar  ao imediato - esta urgência no viver -, o futuro é agora, que o fim é sempre iminente  (o outro já sabia disto, por isso é que inventou a filosofia do instante, não tinha ilusões, coitado, morreu doido agarrado ao cavalo)  -  carpe diem, imbecil, fazes sempre o contrário do que devias (?) e não há culpa que te valha. Todo o tempo é tempo perdido por uma causa herdada, não sabias?


E a noite estragada por uma guloseima rejeitada, agora já não há, vão fechar para descanso semanal ou ad aeternum, che sera, sera. Vem a conta e tu fazes de conta que não sabias, não sabes, não queres é saber, enterras  a cabeça na areia ou no volante, na rua tens vontade de voltar atrás, saborear o que perdeste, mas o tempo é um fio sempre desenrolado para o mesmo lado...a negra com quem te cruzas vai guinchando ao telemóvel que o seu homem quer é que ela fique com a minina para ir ao concerto do Paulo Gonzo, não querem lá ver? sózinho, pois claro, sem ela, onde é que isto já se viu, eles agora também se querem emancipar - e a raiva põe-na a comer uma baga venenosa; humanista ele acorre, a tragédia iminente não se desenrola, salva-se a negra e a consciência, que lindo o momento, assim é um gosto viver, prender o fio, enganar-lhe as voltas - às vezes até deus conseguimos sentir-nos. E agora, adeus,  dorme bem, boa noite, um dia destes repetimos. Talvez. Inch'allah moura,ou  moira, sabe-se lá!


Miriam 



publicado por Perplexo às 15:03
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds