Forum dos alunos do Curso de Escrita Criativa do El Corte Inglés
Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009
«VIAGENS NA MINHA TERRA», de Almeida Garrett

Teria onze ou doze anos quando o li pela primeira vez. Eu devorava livros e foi mais um. Voltei a lê-lo no programa de Literatura Portuguesa do curso dos liceus. Enriqueci-o, então, com os conhecimentos que ia adquirindo nas aulas – época histórica; dados biográficos do autor e convicções políticas que o levaram ao exílio; o Romantismo como movimento literário e introdução na literatura do subjectivismo, do individualismo e dos sentimentos pessoais. E essas impressões de viagem, entrecortadas de constantes divagações e opiniões do autor, tornaram-se uma leitura agradável se bem que tivesse apreciado bem mais o escritor como dramaturgo - «Frei Luis de Sousa» - e como poeta - «Flores sem Fruto» e «Folhas Caídas».


No entanto, não foi senão uns anos mais tarde, quando tive de o ensinar aos meus alunos e me voltei a debruçar sobre a obra, que verifiquei que quanto mais a estudava mais a apreciava e se me afigurou, então, ter grande mérito. Desde logo, a sensação de uma lufada de ar fresco na literatura portuguesa. E depois, o aperceber-me de que, sob a capa enganadora de um romance aparentemente fácil e inocente, se escondia uma obra complexa e de uma certa profundidade psicológica. Partindo duma situação já recorrente e, portanto, pouco imaginativa, em que Carlos é filho de um frade que faz a desgraça da mãe e da sua família; em que pai e filho têm ideias políticas antagónicas e se encontram a combater em facções opostas e em que há um reconhecimento final – «O Arco de Sant´Ana» e «Catão» - o autor consegue, apesar de tudo, fazer do protagonista principal um verdadeiro herói. Sentimental, apaixonado e inconstante, incapaz de encontrar um equilíbrio estável e um amor na sua vida, Carlos vive paixões sucessivas até encontrar Georgina, a mulher que diz «amar verdadeiramente» mas que também o deixa quando finalmente compreende o seu carácter. Garrett faz muito bem, e pela primeira vez na nossa literatura, a análise subtil de sentimentos amorosos e sabe dar voz à dualidade verdade/sublimação versus mentira/ficção que tantas vezes coexiste no nosso espírito.


À crise passional junta-se a desilusão do seu ideal político e revolucionário, o destroçar dos sonhos da sua juventude. E Carlos, a quem a felicidade de uma vida simples ou a glória de morrer como herói foram negadas escreve, num último gesto teatral, uma carta onde analisa, desta vez com verdade, a sua situação. Desiludido e céptico, antevendo um possível futuro de mau político ou agiota, Carlos, numa atitude de herói trágico submete-se ao destino a que não consegue fugir e rende-se ao capitalismo do Constitucionalismo.


M. Manuela T. Cruto e Silva 



*




publicado por Perplexo às 01:33
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Lançamento de livro de al...

13º Curso de Escrita Cria...

"Um livro pouco Important...

Décimo segundo curso de E...

"Antes de começar", e Alm...

Carta de desamor, de Nuno...

Carta de desamor, de Ana ...

Carta de desamor, de S. M...

"A Saga de um Pensador", ...

Carta de desamor, de Manu...

arquivos

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds